Incêndio em hospital no Rio mata ao menos nove

Estadão Conteúdo
Brasil | Publicado em 13/09/2019 às 06:18

Um incêndio no Hospital Badim, no Maracanã, zona norte do Rio de Janeiro, ocorrido no início da noite da quinta-feira, 12, provocou a morte de ao menos nove pessoas. Informações sobre a identidade das vítimas não foram reveladas. Ainda há oito pessoas internadas com queimaduras graves nas vias respiratórias.

Segundo a Defesa Civil do Estado informou ao canal GloboNews na madrugada desta sexta-feira, 13, há a possibilidade de que mais corpos sejam retirados do local. O Badim é um estabelecimento privado, que pertence à Rede DOr.

O incêndio foi provocado por um curto-circuito em um gerador, segundo o vice-governador do Rio, Claudio Castro (PSC). Quando as chamas se espalharam pelo prédio do hospital, dezenas de pacientes começaram a ser retirados às pressas. Muitos deles ficaram aguardando remoção na calçada, para desespero de familiares. Castro afirmou que 69 pessoas que estavam internadas foram conduzidas para outros hospitais.

No fim da noite de quinta, a morte de uma pessoa foi confirmada. Com o incêndio controlado, os bombeiros passaram então a fazer uma varredura do prédio do Badim. Na madrugada, oito corpos foram localizados no interior do edifício.

O Hospital Badim foi construído nos anos 2000 e conta com cerca de 200 leitos. No momento do incêndio, estava praticamente lotado.



Relacionados

Brasil | 20-09-2019 07:46

MEC não apoia proposta que prevê 40% de recursos da União ao Fundeb

MEC não apoia proposta que prevê 40% de recursos da União ao Fundeb

Brasil | 20-09-2019 07:35

Salles anuncia plano com BID para criar novo fundo para a Amazônia

Salles anuncia plano com BID para criar novo fundo para a Amazônia

Brasil | 19-09-2019 17:35

Vale é condenada a pagar R$ 11,8 mi a familiares de vítimas de Brumadinho

Vale é condenada a pagar R$ 11,8 mi a familiares de vítimas de Brumadinho

Brasil | 19-09-2019 16:55

Número de ingressantes em graduação presencial é o menor desde 2011; EAD triplica

Número de ingressantes em graduação presencial é o menor desde 2011; EAD triplica

PUBLICIDADE