Curso reforça segurança do sangue utilizado no sistema de saúde

Redação Tarobá News
Ciência e saúde | Publicado em 15/08/2019 às 10:13

A Secretaria da Saúde do Paraná e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) promovem durante toda essa semana, em Curitiba, um curso de atualização e capacitação sobre as boas práticas no ciclo do sangue, voltado para inspetores de vigilância sanitária. Participam do evento 80 inspetores que atuam nas redes estadual e municipal e 32 inspetores vindos de 17 estados brasileiros.

“A qualidade e a segurança dos hemocomponentes, que são os produtos gerados a partir do sangue, devem ser asseguradas em todo o processo, que tem início na captação de doadores e vai até o monitoramento das possíveis reações que um paciente possa apresentar. Este é o objetivo do curso que sediamos no Paraná”, explicou a coordenadora da Vigilância Sanitária da secretaria, Luciane Otaviano de Lima.

Segundo a especialista da Gerência de Sangue, Tecidos, Células e Órgãos da Anvisa, Christiane da Silva Costa, este curso é realizado anualmente em estados diferentes para que haja integração do sistema nacional. “Buscamos o fortalecimento dos serviços de vigilância e a oferta de um produto de excelência para os usuários deste sistema. Tanto o sangue como seus componentes são produtos biológicos que cumprem função terapêutica, e por isso devem estar de acordo com os critérios de segurança e especificação de qualidade”, disse.

Christiane explicou ainda que os hemocomponentes do sangue não têm registro como os medicamentos. Por isso o trabalho da Vigilância Sanitária é importante para assegurar a eficácia e a segurança em todos os processos de doações e transfusões.

PARANÁ - Há 30 anos a Vigilância Sanitária do Paraná implantou o Sistema de Controle Hemoterápica – é o único estado que apresenta este modelo de monitoramento. “Este sistema vem sendo constantemente atualizado com a finalidade de melhoria dos serviços ofertados e hoje fazemos, em tempo real, o acompanhamento e o controle de todas as etapas do ciclo do sangue”, destacou a enfermeira do Setor de Vigilância Sanitária do Sangue, Tecidos, Células e Órgãos da secretaria, Luciana Aparecida Correa.

Ela ressaltou que o ciclo do sangue abrange serviços de alta complexidade, em que são realizados processos críticos que devem ser desenvolvidos com critérios de boas práticas e de acordo com a Legislação vigente. As boas práticas incluem ações diárias de controle, inspeção e fiscalização com o foco na menor taxa possível de riscos. “Estamos voltados para o receptor, a pessoa que está lá no hospital e vai receber uma bolsa de sangue com qualidade”, complementou.

A diretora do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar), Liana Labre de Souza, também reforçou que o sangue ofertado no Paraná é classificado como seguro.

O Hemepar é vinculado à secretaria estadual da Saúde e mantém 23 unidades no Estado. A rede é responsável pela coleta, armazenamento, processamento, transfusão e distribuição de sangue para 384 hospitais públicos, privados e filantrópicos que atuam em todas as regiões do Paraná.

“Nossas unidades recebem visitas periódicas de Vigilância Sanitária, com aplicação de roteiros de inspeção e fiscalização. Este trabalho integrado no Paraná nos proporciona certificações nacionais e por isso temos a certeza de que nosso processo é seguro”, disse a diretora.


Aen PR



Relacionados

Primeiro de Maio | 05-12-2019 19:19

Hospital Municipal vira 'piscinão' após chuva desta quinta em Primeiro de Maio

Hospital Municipal vira 'piscinão' após chuva desta quinta em Primeiro de Maio

Cascavel | 05-12-2019 10:06

HUOP realiza Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele nesse sábado

HUOP realiza Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele nesse sábado

Cascavel | 04-12-2019 20:03

Conselho Municipal de Saúde aprova modelo de Hospital de Retaguarda microrregional

Conselho Municipal de Saúde aprova modelo de Hospital de Retaguarda microrregional

Cascavel | 04-12-2019 08:52

Criado há poucos dias, PAI ainda não credenciou nenhum hospital

Criado há poucos dias, PAI ainda não credenciou nenhum hospital

PUBLICIDADE