A pedido de Bolsonaro, cota de compras no Paraguai vai aumentar para US$ 500

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 11/10/2019 às 10:04

Foto: Blog Compras no Paraguai

O governo federal vai dobrar o limite atual para compras em free shops. A medida foi determinada pelo presidente Jair Bolsonaro ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que prepara decreto para ser editado nos próximos dias. Com a mudança, brasileiros que voltam de viagens do exterior poderão comprar US$ 1 mil em produtos nos aeroportos – hoje, esse limite é de US$ 500.

A cota permitida para compras no Paraguai também vai mudar. O governo vai ampliar de US$ 300 para US$ 500 o valor máximo por pessoa que cruza a fronteira.”Eu pedi, poxa, Paulo Guedes, faça alguma coisa por mim”, brincou o presidente com Guedes nesta quinta-feira (10).

A demanda para ampliar essa cota é antiga. O valor de US$ 500 por pessoa é válido desde 1991. Durante a gestão do presidente Michel Temer essa possibilidade chegou a ser pleiteada pela Associação Nacional das Empresas Administradoras de Aeroportos (Aneaa), mas não avançou.

De acordo com a Aneaa, o “reajuste” traria uma série de vantagens ao setor, além de possibilitar a criação de cerca de milhares de empregos. A ampliação da cota máxima é defendida também pelo Ministério da Infraestrutura.


Portal da Cidade Foz do Iguaçu



Relacionados

Economia | 17-10-2019 19:50

Maia quer votar Lei de Saneamento nos próximos 15 dias e devolver ao Senado

Maia quer votar Lei de Saneamento nos próximos 15 dias e devolver ao Senado

Economia | 17-10-2019 18:20

Dólar sobe para maior valor desde 23 de setembro com discurso de presidente do BC

Dólar sobe para maior valor desde 23 de setembro com discurso de presidente do BC

Economia | 17-10-2019 11:35

Eletrobras convoca assembleia para discutir aumento de capital

Eletrobras convoca assembleia para discutir aumento de capital

Economia | 17-10-2019 10:25

Brasil perdeu 316.680 empresas em 4 anos de saldos negativos, diz IBGE

Brasil perdeu 316.680 empresas em 4 anos de saldos negativos, diz IBGE

PUBLICIDADE