Preço do gás não cai por decreto, afirma ministro

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 26/06/2019 às 07:10

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que o governo não vai baixar o preço do gás "por decreto". Segundo ele, as medidas do programa Novo Mercado de Gás não serão impostas, mas negociadas entre as partes envolvidas. O plano prevê a abertura do mercado de gás e a saída da participação da Petrobrás do mercado de gasodutos e distribuidoras. Também prevê incentivo financeiro a Estados que aceitarem privatizar suas empresas.

A Abegás, que representa as distribuidoras, comparou o incentivo à privatização de distribuidoras a um "toma lá dá cá".

"Não é por decreto que vamos baixar o preço do gás. Temos exemplos de quando tentamos fazer isso e não deu certo", disse ontem, em audiência pública conjunta nas comissões de Infraestrutura e de Desenvolvimento Regional do Senado.

As diretrizes do plano foram apresentadas na segunda-feira pelo governo. Entre as medidas está um acordo entre a Petrobrás e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para encerrar um processo administrativo que apura condutas anticompetitivas da companhia e que poderia render multas bilionárias à estatal. A Petrobrás terá de sair do mercado de gasodutos, dar acesso às suas estruturas para concorrentes e vender sua fatia nas distribuidoras estaduais.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Relacionados

Economia | 18-10-2019 10:25

Dólar cai após dados da China, mas Campos Neto e crise no PSL ficam no foco

Dólar cai após dados da China, mas Campos Neto e crise no PSL ficam no foco

Economia | 18-10-2019 08:35

IGP-M na 2ª prévia de outubro avança 0,85%, afirma FGV

IGP-M na 2ª prévia de outubro avança 0,85%, afirma FGV

Economia | 17-10-2019 20:55

Bolsonaro: País vai terminar 2022 com menos de 10 milhões de desempregados

Bolsonaro: País vai terminar 2022 com menos de 10 milhões de desempregados

Economia | 17-10-2019 20:55

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

PUBLICIDADE