Reforma da Previdência será retomada antes do fim do 1º semestre, diz Maia

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 30/05/2017 às 17:52

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que vai colocar em "poucas semanas" o texto da reforma da Previdência para votação no plenário da Casa e que isso vai ocorrer "com certeza antes do fim do primeiro semestre".

Ao sair da abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2017, Maia afirmou que vai conversar com os líderes partidários para colocar a reforma de volta à pauta da Casa em breve, sem precisar uma data. "Não podemos esticar muito este assunto, não. Acho que é importante votar", afirmou.

Questionado sobre os pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer (PMDB) que foram protocolados na Câmara, Maia não respondeu se vai deliberar sobre as denúncias recebidas.

Reunidos no evento, Maia e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), fizeram coro em apoio ao presidente Michel Temer e garantiram que vão se empenhar na condução das reformas apesar da crise política.

O apoio também foi declarado pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e pelo prefeito João Doria, ambos do PSDB. "Quero destacar nosso empenho com as reformas", disse Alckmin em seu discurso. O governador reforçou que o País não quer voltar ao populismo e que as medidas propostas pelo presidente Temer são importantes.



Relacionados

Economia | 18-10-2019 10:25

Dólar cai após dados da China, mas Campos Neto e crise no PSL ficam no foco

Dólar cai após dados da China, mas Campos Neto e crise no PSL ficam no foco

Economia | 18-10-2019 08:35

IGP-M na 2ª prévia de outubro avança 0,85%, afirma FGV

IGP-M na 2ª prévia de outubro avança 0,85%, afirma FGV

Economia | 17-10-2019 20:55

Bolsonaro: País vai terminar 2022 com menos de 10 milhões de desempregados

Bolsonaro: País vai terminar 2022 com menos de 10 milhões de desempregados

Economia | 17-10-2019 20:55

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

PUBLICIDADE