Laudo indica que presa encontrada enforcada foi assassinada

Redação Tarobá News
Policial | Publicado em 13/09/2019 às 09:14

O delegado de polícia de Goioerê, Hélio Nunes Pires, não tem mais dúvidas de que a detenta Gislaine Aparecida Oliveira, 31, conhecida como Elaine, que foi encontrada morta dentro da cela no dia 1º de setembro foi assassinada.

As lesões no corpo e outros indícios levaram o delegado a tirar esta conclusão e agora os trabalhos de investigação visam descobrir a motivação do crime e também quem foi a autora ou quem foram as autoras do homicídio.

A presa foi encontrada morta pendurada por um lençol na porta da grade, fazendo acreditar, em princípio, que se tratava de um suicídio por enforcamento. No entanto, as lesões constatadas pelo IML indicaram que ela foi violentamente agredida antes de ser pendurada na grade, em uma simulação de suicídio.

Uma das possibilidades é a de que Gislaine tenha sido morta pelo fato de ter cometido um crime hediondo contra duas crianças, matando uma e tentando matar outra por envenenamento, para se vingar que seu marido tinha um caso com a vizinha, mãe das crianças. Pelo crime ela foi condenada a 30 anos de prisão. Essa situação normalmente não é tolerada por outras presas.

Outra possibilidade é a de que Gislaine possa ter tido um atrito com outras presas e que essa briga tenha sido a motivação de sua morte.


Fonte: GoioNews

 



Relacionados

Foz do Iguaçu | 21-09-2019 12:23

Presas da Penitenciária Feminina de Foz do Iguaçu vão produzir os próprios lençóis e toalhas de banho

Presas da Penitenciária Feminina de Foz do Iguaçu vão produzir os próprios lençóis e toalhas de banho

Curitiba | 21-09-2019 11:17

Corpo sem os pés e as mãos é encontrado em matagal de Curitiba

Corpo sem os pés e as mãos é encontrado em matagal de Curitiba

Paranaguá | 21-09-2019 10:34

Filho de empresário assassinado em Paranaguá é acusado de envolvimento no crime

Filho de empresário assassinado em Paranaguá é acusado de envolvimento no crime

Ponta Grossa | 21-09-2019 10:08

Preso após tiroteio nega participação no crime

Preso após tiroteio nega participação no crime