Lula cita 'lado podre' do Estado brasileiro, da Justiça, do MP e da PF

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 08/11/2019 às 18:55

Durante o primeiro discurso após ser libertado, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva disse que a sua prisão foi resultado de um "lado podre" do Estado brasileiro, "da Justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal e da Receita Federal", que, segundo o presidente, "trabalhou para tentar criminalizar a esquerda, o PT e o Lula". "O lado mentiroso da PF que fez inquérito contra mim, o lado canalha do MP e da força-tarefa."

"Se pegar o (Deltan) Dallagnol (chefe da força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba), o (Sergio) Moro (ex-juiz da Lava Jato) e alguns delegados, enfia e bate num liquidificador. O que sobrar não é dez por cento da honestidade que eu represento nesse País. Eles têm que saber que caráter e dignidade não é uma coisa que a gente compra em shopping center, em feira ou no bar", discursou o presidente.

"O Moro tem que saber uma coisa: não prenderam um homem. Tentaram matar uma ideia, mas uma ideia não desaparece", disse Lula, retomando as ideias da sua fala no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC logo antes de ser preso em abril de 2018.

O presidente também fez críticas a veículos de imprensa. "Eu quero lutar para provar que se existe uma quadrilha e um bando de mafioso é essa maracutaia, liderada pela Rede Globo." Lula ainda afirmou que "não tem mágoas" nem dos policiais federais, nem dos carcereiros.



Relacionados

Política | 19-11-2019 20:25

Fux volta a liberar caso Deltan para julgamento no Conselho Nacional do MP

Fux volta a liberar caso Deltan para julgamento no Conselho Nacional do MP

Política | 19-11-2019 20:20

Moro pede mudanças após deputados alterarem pacote anticrime

Moro pede mudanças após deputados alterarem pacote anticrime

Política | 19-11-2019 18:40

Maia lança pacote de projetos voltados ao combate à pobreza

Maia lança pacote de projetos voltados ao combate à pobreza

Cascavel | 19-11-2019 18:10

Porto defende jornalistas contra MP que desregulamenta a profissão

Porto defende jornalistas contra MP que desregulamenta a profissão

PUBLICIDADE