PEC do fim do foro é aprovada por unanimidade no Senado; texto segue para Câmara

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 31/05/2017 às 18:55

Para se antecipar à discussão que começou hoje no Supremo Tribunal Federal (STF), o Senado aprovou por unanimidade nesta quarta-feira, 31, o segundo turno da proposta de emenda à Constituição (PEC) que extingue o foro especial por prerrogativa de função nos casos de crimes comuns para todas as autoridades - com exceção dos chefes dos Três Poderes. O texto, aprovado por 69 votos dos 81 senadores, segue agora para a Câmara dos Deputados.

O primeiro turno da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do fim do foro foi aprovado há mais de um mês, mas acabou parado na Casa por falta de vontade política. Nesta quarta, entretanto, assim que o STF começou a julgar um caso sobre o tema, parlamentares se movimentaram para aprovar a proposta nos seus termos. Caso o STF finalizasse o julgamento antes, a prerrogativa poderia ficar restrita a algumas autoridades.

A versão final do projeto sofreu alterações hoje que favorecem à classe política. Após acordo firmado entre líderes partidários e o relator, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), parlamentares não poderão ser presos antes que o processo tenha transitado em julgado. Segundo o relator, ele recuou para conseguir aprovar o objetivo principal da proposta de acabar com o foro privilegiado para 55 mil autoridades.



Relacionados

Política | 23-08-2019 18:55

Raquel contraria PF e pede arquivamento de inquérito contra Collor

Raquel contraria PF e pede arquivamento de inquérito contra Collor

Política | 23-08-2019 18:25

Maia adota agenda ambiental para contrapor a Bolsonaro

Maia adota agenda ambiental para contrapor a Bolsonaro

Política | 23-08-2019 17:15

Segunda Turma do STF nega a Lula suspeição de Moro na ação do Instituto

Segunda Turma do STF nega a Lula suspeição de Moro na ação do Instituto

Curitiba | 23-08-2019 16:38

Mesmo com apoio de Gilmar Mendes, Richa tem problemas no TJ paranaense

Mesmo com apoio de Gilmar Mendes, Richa tem problemas no TJ paranaense

PUBLICIDADE