Poupar no início do ano é a melhor saída para um 2019 saudável financeiramente

Conteúdo Patrocinado
17/01/2019 14:55

O ano de 2019 começou com tudo, repleto de expectativas, e como sempre com muitas contas para pagar. Além dos tradicionais gastos de final de ano, no mês de janeiro os impostos aparecem sem piedade. Para quem tem filhos, a compra do material escolar também traz gastos extras que precisam ser muito bem analisados para que o consumidor não passe sufoco neste período.

Para o professor de finanças do ISAE Escola de Negócios, Pedro Salanek, nos últimos anos a dificuldade de acesso ao crédito e o desemprego aumentaram consideravelmente. Além disso, o novo governo ainda gera muitas incertezas na economia, o que faz com que as famílias passem por uma readequação em seu planejamento financeiro. “Deve-se buscar uma reavaliação daquilo que é suficiente para aquisição, tanto de bens de consumo como também dos bens duráveis. Um controle antecipado daquilo que poderá ser gasto é obrigatório de tornar-se realidade neste período, isso envolve inclusive uma mudança de cultura e disciplina financeira do brasileiro. A questão não é quanto ganha, mas sim quanto gasta”, afirma o professor.

Neste mês de janeiro, há uma série de tributações e despesas: IPTU, IPVA, material escolar e o cartão de crédito utilizado no mês anterior são os principais vilões, por isso, Salanek alerta que é preciso ter uma visão dos gastos futuros e segurar no freio quando o assunto é gastar. “Poderíamos até imaginar como se fosse uma despesa antecipada e já guardar dinheiro pra ela agora. O planejamento financeiro deve ser de médio prazo, ou seja, não podemos nos programar apenas com os valores gastos no momento e sim com aquilo que gastaremos nos próximos meses. Se não tiver previsão suficiente de recebimento de recursos no futuro, não terá como honrar esta previsão do pagamento das despesas”, coloca.

O planejamento é a saída para não ser surpreendido nestes períodos de maior consumo. Por isso, criar uma planilha com os gastos é necessário para ter tudo sob controle. Ter uma reserva para equilibrar as finanças, pode sim ser uma saída, pois reter uma pequena fonte por mês, não pesa no bolso e ajuda em situações críticas. “Quando você recebe o dinheiro, automaticamente um percentual deve ser separado dos gastos diários como reserva mesmo. Deve ser guardado em uma conta que você não movimenta rotineiramente (poupança, por exemplo) e considerar como se fosse um pagamento efetuado. Comece a fazer isso com 3%, 5% daquilo que você ganha, e quem sabe no futuro você estará aumentando essa alíquota”, completa Salanek.

PUBLICIDADE