Linha 4

Publicidade

O jogo do ano para a Serpente Aurinegra

Luciano Neves

FC Cascavel e Cianorte se enfrentam para ver quem continua na luta para subir para a Série C. Foto Diego Menegon

Quando disputou a Série D do Campeonato Brasileiro no ano passado, o FC Cascavel aproveitou o torneio para fazer experiências. Afinal de contas, o time participou pela primeira vez de uma competição nacional. Na ocasião, o FC Cascavel fez os primeiros confrontos contra times de São Paulo e Rio de Janeiro. Teve um pouco de sofrimento para avançar na primeira fase e foi eliminado no primeiro duelo de mata-mata.

Já na edição de 2021 da Série D, a equipe ingressou no torneio com a experiência de ter disputado a Copa do Brasil. Na quarta divisão nacional, vieram os duelos contra catarinenses e gaúchos e a equipe avançou com sobras para a segunda fase, tanto é que só perdeu a invencibilidade no torneio na última rodada, quando poupou jogadores.

Foto Felipe FachiniFoto Felipe Fachini

Agora, o FC Cascavel tem a possibilidade de alcançar, pela primeira vez, a fase de oitavas de final. Para isso, precisa despachar o Cianorte no duelo de paranaenses. O jogo de volta da segunda fase será neste sábado (18), às 16 horas, no Estádio Olímpico Regional. No duelo de ida, no domingo passado, os dois times empataram sem gols em Cianorte. Portanto, uma vitória simples coloca o FC Cascavel nas oitavas. Um novo empate, por qualquer placar, leva a decisão para os pênaltis. Quem passar irá enfrentar a Aparecidense de Goiás, que se classificou na tarde desta sexta-feira (17). O time goiano venceu a Caldense por 3 a 1, no jogo de volta da segunda fase.

Foto Felipe FachiniFoto Felipe Fachini 

Tcheco esteve afastado da equipe em virtude da Covid-19 e reassume o FC Cascavel neste sábado. O treinador explicou que foi importante ter a possibilidade de decidir o mata-mata em casa. “Foi um jogo difícil. Mas era importante trazer a decisão para dentro de casa. Quando você joga um mata-mata e tem a possibilidade de fazer o jogo de volta em casa, com gramado bom, mas tem uma motivação a mais. Lógico que isso não é garantia de classificação. Vai depender da nossa mobilização, de respeitar o adversário sempre. Mas o mais importante é que, dentro de casa, a gente consegue construir as nossas jogadas. Temos que tentar buscar a nossa classificação diante do Cianorte, que é o nosso jogo do ano agora”, analisou o treinador.

Moral

A Serpente Aurinegra ingressou neste confronto com a moral de ter chegado pela primeira vez a uma final do Campeonato Paranaense. As datas da decisão contra o Londrina ainda não estão definidas, mas tanto FC Cascavel quanto o Tubarão não querer se enfrentar de imediato. Existe a possibilidade da permissão de público nas duas partidas e ambos os times contam com isso. Nesse caso, as finais só devem ocorrer no próximo mês. O fogo agora é apenas o Cianorte. O Leão do Vale exige respeito. Os dois times fizeram seis duelos de 2017 para cá, cinco pelo Campeonato Paranaense e um pela Série D. O Cianorte conseguiu três vitórias contra uma do FC Cascavel. Os dois últimos duelos entre eles terminaram empatados. A Serpente Aurinegra não vence o Cianorte desde o dia 24 de março de 2019. Na ocasião, fez 2 a 0 no rival, no Estádio Albino Turbay.

Foto Felipe FachiniFoto Felipe Fachini

Motivação extra

A sexta-feira, (17), véspera do jogo de volta contra o Cianorte, foi especial. Isso porque o time profissional do FC Cascavel recebeu no Centro de Treinamentos a equipe do FC Cascavel Down. Além de participarem de atividades esportivas como cobranças de pênaltis e também do famoso rachão com os atletas do clube, que terminou empatado em 2 a 2, os atletas portadores da Síndrome de Down trouxeram muita alegria, diversão e amor para todos! Entre sorrisos e abraços, nossos atletas especiais mostraram todo o seu carisma e cativaram todos os jogadores e membros da comissão técnica. A visita surpresa foi pensada pelo presidente do FC Cascavel, Valdinei Silva, e foi muito bem recebida. “É uma satisfação enorme poder estar com eles ali no campo, aprendemos muito com eles também. O fato de poder proporcionar essa alegria sem dúvida não tem preço. A gente vê nos olhos deles a emoção, eles ficam felizes e nós também, e isso descontrai ao ponto de nos divertimos mais que eles e isso é muito bacana”, disse o zagueiro do Cascavel, Diego Giaretta.

Foto Felipe FachiniFoto Felipe Fachini

Os artigos dos blogs não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor do texto.

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade

Nós usamos cookies teste site para lhe proporcionar a melhor experiência possível lembrando de preferências em visitas anteriores. Clicando em "Aceitar" você aceita o uso de cookies e nossos Termos de Uso.