Professores: ficou mais fácil caracterizar assédio sexual contra aluno

Diogo Hutt
Política | Publicado em 10/09/2019 às 11:28

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, entendeu que o crime de assédio sexual – definido no artigo 216-A do Código Penal (CP) e geralmente associado à superioridade hierárquica em relações de emprego – pode ser caracterizado no caso de constrangimento cometido por professores contra alunos.

No voto seguido pela maioria, o ministro Rogerio Schietti Cruz destacou que, embora não haja pacificação doutrinária e jurisprudencial acerca do tema, é preciso considerar a relação de superioridade hierárquica entre professor e aluno, nas hipóteses em que o docente se vale da sua profissão para obter vantagem sexual.

"Ignorar a notória ascendência que o mestre exerce sobre os pupilos é, equivocadamente, desconsiderar a influência e, mormente, o poder exercido sobre os que admiram, obedecem e, não raro, temem aquele que detém e repassa o conhecimento", afirmou Schietti.

(OAB Londrina)



Relacionados

Política | 05-09-2019 17:03

Universidades estão se tornando fábricas de diplomas

Universidades estão se tornando fábricas de diplomas

Política | 27-08-2019 13:19

A homofobia de quem acusa

A homofobia de quem acusa

Política | 23-08-2019 10:22

Código penal não prevê crime para quem faz sexo com cadáver

Código penal não prevê crime para quem faz sexo com cadáver

Política | 20-08-2019 11:38

Furtar para comer é crime? Entenda o que não diz nossa lei

Furtar para comer é crime? Entenda o que não diz nossa lei

PUBLICIDADE