Calçadas podem ser boas fontes de vídeos-cacetadas

Paulo Martins
Política | Publicado em 11/07/2018 às 13:13

Moradores de Foz do Iguaçu ainda tem dúvidas sobre qual o modelo de calçada deve ser construído em frente às casas ou comércios. A dúvida se deve aos diferentes modelos adotados pelo município. Ao todo são três, um para cada região. Uma cartilha explicando a diferença entre as calçadas e quando elas devem ser utilizadas, está disponível pelo link: Clique aqui para acessar a cartilha.

Infelizmente não é um ônus que venha ao encontro do gosto de cada um, como o é lado interno das residências...Trata-se de detalhe que terá que atender aos transeuntes, pois afinal, se vive em sociedade e não raras vezes uma calçada pode até ser fatal na provocação de tombos.

 As prefeituras, além de modelos adequados poderiam oferecer também planos com créditos longos, em parceria com construtoras...Uma recomendação, aliás, que se faz também em relação à Cascavel, cujas calçadas, além de se transformarem em verdadeiros desafios nas caminhadas, na maior parte da cidade não existem e, aonde existem, também em sua maioria chamar de calçada, não passa de apelido. 

 Aliás, aqui, para se produzir vídeos- cacetadas, talvez seja um dos mais férteis espaços desta região do Paraná. 

Por fim, lembram aquela velho e saudável hábito de a tardinha se sentar com vizinhos na calçada, para bate papo, chimarrão, etc??? 

Não mais se recomenda...A violência, que venceu o bem estar da família brasileira, não mais permite.



Relacionados

Política | 04-12-2018 13:23

Estamos submetidos a essas farsas

Estamos submetidos a essas farsas

Política | 03-12-2018 12:54

'A doação de sangue..."é dando que se recebe”'

'A doação de sangue..."é dando que se recebe”'

Política | 30-11-2018 12:36

A velha piada do sofá da sala se torna real na rodovia BR 277

A velha piada do sofá da sala se torna real na rodovia BR 277

Política | 29-11-2018 12:46

Secretaria de finanças fala sobre cobrança da taxa de desastres

Secretaria de finanças fala sobre cobrança da taxa de desastres

PUBLICIDADE