Atletismo

Atletismo

Dez anos depois, Vila Pan-Americana é um legado de problemas no Rio de Janeiro


Dez anos depois, Vila Pan-Americana é um legado de problemas no Rio

Apontados como propulsores para fazer do País a sede da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada do ano passado, os Jogos Pan-Americanos do Rio-2007 foram abertos oficialmente há exatos 10 anos. Considerados "um sucesso" pelos organizadores, custaram R$ 3,6 bilhões, seis vezes mais que o previsto, e deixaram como legado uma série de problemas. Reformado, o estádio do Maracanã precisou ser praticamente reconstruído para o Mundial, enquanto que o Engenhão, erguido justamente para o Pan, teve de sofrer intervenção milionária em sua cobertura sete anos mais tarde. Nenhuma obra, contudo, deu tantos problemas quanto a Vila Pan-Americana.

Uma década depois, os cerca de 5 mil moradores do conjunto que serviu para hospedar os atletas ainda convivem com problemas no terreno que comporta 17 blocos de apartamentos. Ruas, cercas e calçadas afundaram, garagens estão interditadas e até mesmo o acesso a parte dos edifícios está comprometido. "Venderam um sonho, mas compramos um pesadelo", resumiu o administrador Marcos Antônio de Souza, um dos atuais moradores da Vila Pan-Americana. Ele se mudou para o local em 2011, quando os problemas já começavam a se agravar. "Sabia que existiam, mas imaginava que seriam corrigidos".

Lançada em 2005 pelo ex-prefeito do Rio César Maia (à época no PFL, hoje DEM), a Vila Pan-Americana foi um sucesso absoluto de vendas. Todos os 1.480 apartamentos foram vendidos no primeiro final de semana. "Fazia uns 10 anos da falência da Encol (construtora que deixou mais de 40 mil pessoas sem receber seus imóveis pelo País) e o brasileiro tinha medo de comprar imóvel na planta. Como se tratava de uma vila de atletas, todos tinham certeza de que o projeto sairia", relembrou João Alexandre Gouvêa, um dos primeiros moradores do local e que hoje preside a Associação de Condomínios da Vila Pan-Americana (ACVPAN).

O que os compradores não imaginavam é que a infraestrutura do terreno demandava obras que não foram plenamente executadas. A Vila do Pan foi construída sob um terreno de turfa, um material de origem vegetal, que exige fundações bem mais profundas que outros tipos de terreno. O estaqueamento foi feito corretamente nos edifícios - erguidos pela construtora Agenco -, mas não teve o reforço adequado sob as ruas e calçadas, obras que seriam de responsabilidade da prefeitura. Com isso, o terreno cedeu, desnivelando vias, sumindo com calçadas, rebaixando colunas e portões. Pior: o movimento do solo afetou paredes e colunas de garagens que ficam no entorno dos edifícios.

Hoje, dos oito acessos aos condomínios, apenas três estão abertos, o que obriga as pessoas a entrarem por um condomínio para chegar a outro. As garagens precisaram ser redistribuídas - famílias que tinham vagas sobrando repassaram os espaços para outras cujas garagens foram interditadas.

Os moradores também precisaram fazer obras para mudar tubulações de gás, fiação de redes de telefonia e de TV a cabo, que acabaram expostas com o movimento do solo. O mesmo aconteceu com parte da tubulação de esgoto, despejado sem tratamento no Arroio Fundo, que passa ao lado.

OBRAS - Para tentar corrigir os problemas, a prefeitura do Rio vinha fazendo obras desde 2011, já sob administração de Eduardo Paes (PMDB). Havia a previsão de gastos de até R$ 62 milhões e boa parte das reformas chegou a ser executada. No ano passado, porém, o trabalho foi interrompido.

A atual administração carioca culpa o governo de Eduardo Paes pela interrupção das obras. "A antiga gestão deixou uma dívida de R$ 4 milhões de intervenções já realizadas no local, sem recursos em caixa para pagar. Aprovado em 2016, o orçamento deixado este ano é de apenas R$ 100 mil para a área", informou em nota a Secretaria de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação.

A pasta declarou ainda que, para a conclusão das obras, são necessários mais R$ 2 milhões - além da dívida de R$ 4 milhões, que passa por sindicância. Apesar disso, a secretaria informou que as reformas serão retomadas "nas próximas semanas".

Procurada pelo Estado, a Geologus, construtora que realizava as intervenções, não se posicionou. Por meio de sua assessoria, o deputado Pedro Paulo (PMDB), secretário de governo de Eduardo Paes, disse que "todas as obras realizadas pela antiga gestão foram pagas ou ficaram como restos a pagar" e que havia saldo em caixa.

MAIS PROBLEMAS - Não bastassem os problemas do terreno onde ficam os condomínios da Vila do Pan, uma promessa da época em que os apartamentos foram colocados à venda não foi cumprida: a construção de um centro esportivo no terreno ao lado, que é separado apenas pelo Arroio Fundo.

Quando o projeto da Vila do Pan foi apresentado, o material de divulgação anunciava que os moradores teriam "um espaço perfeito para reunir os amigos, ter aulas de tênis e outros esportes, além de relaxar após as atividades físicas num delicioso barzinho". O texto enumerava tudo o que seria construído: "1 campo de futebol, 2 quadras polivalentes, 2 quadras de vôlei de areia, 3 quadras de tênis, pista de corrida, churrasqueira, bar e vestiários". A reportagem do Estado esteve no local na última terça-feira e encontrou apenas uma área com vegetação.

"Por incrível que pareça, a estrutura esportiva da vila é zero", disse João Alexandre Gouvêa, que foi um dos primeiros moradores a chegar ao condomínio. "Por descompromisso das autoridades, especialmente da prefeitura, a gente deve ser a única Vila dos Atletas do mundo que não tem um único equipamento esportivo".

Entre os edifícios, há pequenas áreas para recreação das crianças, além de piscinas destinadas aos moradores. Quando o conjunto de prédios foi lançado, porém, a promessa era de que a estrutura para lazer seria bem maior.

Pelo projeto original, duas pontes seriam construídas sobre o curso dágua do Arroio Fundo, ligando a Vila Pan-Americana aos equipamentos esportivos. O local não seria exclusivo dos moradores, sendo aberto à população em geral.

A construção estava a cargo da prefeitura do Rio. "Todas as obras de infraestrutura no entorno da Vila - ruas, iluminação, canalização e tratamento das águas do canal do Arroio Fundo - são de responsabilidade do poder público", afirmava o material de apresentação da Vila dos Atletas. O Estado não conseguiu contato com o ex-prefeito do Rio, Cesar Maia.


Selecione sua cidade

Cascavel | Londrina