Conmebol antecipa pagamento para clubes da Libertadores e Sul-Americana

Estadão Conteúdo
Futebol | Publicado em 26/03/2020 às 14:30

A Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) anunciou, nesta quinta-feira, o adiantamento de recursos econômicos para os clubes participantes da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana. Cada agremiação poderá solicitar até 60% do prêmio de participação.

A iniciativa da entidade que dirige o futebol sul-americano visa permitir que os clubes planejem suas necessidades financeiras por causa da pandemia do coronavírus e seu impacto na saúde e no esporte pelo mundo.

"Situações como essa exigem respostas rápidas e excepcionais, com o objetivo tanto de preservar a saúde da grande família do futebol sul-americano quanto para reduzir, na medida do possível, o impacto econômico da interrupção das competições", afirmou Alejandro Domínguez, presidente da CONMEBOL, em uma carta dirigida aos presidentes das Associações Membro.

Os clubes que desejarem utilizar essa prerrogativa deverão enviar sua solicitação através de cada Associação Membro, que por sua vez irá pedir diretamente com a CONMEBOL.

O Brasil conta com sete times na fase grupos (Palmeiras, Santos, São Paulo, Flamengo, Internacional, Grêmio e Athletico-PR) na fase grupos, que paga US$ 3 milhões (R$ 15 milhões) para cada time. Desta forma, cada clube poderá pedir até US$ 1,8 milhão (cerca de R$ 9 milhões).



Relacionados

Futebol | 01-04-2020 19:15

Dirceu Pinto, dono de 4 medalhas de ouro paralímpicas na bocha, morre aos 39 anos

Dirceu Pinto, dono de 4 medalhas de ouro paralímpicas na bocha, morre aos 39 anos

Futebol | 01-04-2020 06:38

Presidente do Flamengo diz que temporada deve ir até 31 de janeiro

Presidente do Flamengo diz que temporada deve ir até 31 de janeiro

Futebol | 31-03-2020 17:05

Presidente do Cruzeiro é diagnosticado com o novo coronavírus

Presidente do Cruzeiro é diagnosticado com o novo coronavírus

Futebol | 31-03-2020 15:40

Fifa estuda investir R$ 7,8 bilhões para ajudar o futebol mundial durante crise

Fifa estuda investir R$ 7,8 bilhões para ajudar o futebol mundial durante crise