Scheidt e jogadores de vôlei da seleção têm dificuldades na Itália

Estadão Conteúdo
Vôlei | Publicado em 23/03/2020 às 08:10

Nenhum país está sofrendo tanto com a pandemia do coronavírus quanto a Itália, que já superou a China em número de mortos por causa do covid-19. Entre os atletas brasileiros que estão no país, três importantes nomes têm enfrentado limitações para se preparar para os Jogos de Tóquio, mesmo sem saber se a Olimpíada será de fato realizada em julho. Os jogadores de vôlei Leal e Bruninho, assim como velejador Robert Scheidt, estão morando lá.

O cubano naturalizado Yoandy Leal e Bruninho jogam no Lube Civitanova, clube da província de Macerata. Depois de ficarem impedidos de sair de casa, eles conseguiram fazer musculação na academia do clube após acordo com o governo local. A liberação, no entanto, só foi feita mediante uma série de restrições. "Tudo é cheio de precauções e medidas sanitárias. Apenas dois atletas entram na sala de musculação e têm de ficar a uma distância de quatro metros. Enfim, não está sendo fácil", contou Leal.

Os dois até tentaram voltar para o Brasil, mas foram impedidos pelo Civitanova. "Eu e o Bruno entramos em contato com o clube para que pudéssemos sair e ir ao encontro de nossas famílias. Mas o clube não nos autorizou. Teremos de ficar aqui e enfrentar essa difícil situação diariamente. Queria ir para casa porque acredito que seria o melhor. Estar sozinho, sem poder por mais de 40 dias fazer nossas atividades regularmente, é muito difícil, principalmente por causa das incertezas do futuro", disse o atleta.

Sobre a realização dos Jogos Olímpicos em Tóquio, o jogador se mostra dividido. "Espero que os dirigentes tomem a melhor decisão. Gostaria que fossem realizados já que é o principal evento de esporte do mundo e eu teria a chance de fazer parte. Mas, ainda sim, com esse vírus penso que o ideal seria esperar até que seja seguro sua realização", comentou.

O bicampeão olímpico Robert Scheidt mora em Torbole, no lado norte do Lago di Garda, com a mulher, Gintare, e os dois filhos, Erik e Lukas. A cidade não tem registrados casos de coronavírus, mas as atividades do velejador também estão bastante restritas. "Tenho feito exercícios em casa e tenho acesso a uma pequena academia, onde consigo manter minha preparação física, com musculação, bicicleta ergométrica e alguns exercícios específicos para a prática de vela. Mas estou limitado a isso. Não tenho mais como praticar natação, pois a piscina coberta está fechada. Pedalar ao ar livre e velejar também não está permitido", disse.

Scheidt não cogita neste momento retornar ao Brasil, pois existe o risco de não conseguir voltar e, mesmo se tiver êxito, terá de ficar em quarentena. Enquanto isso, dá continuidade aos treinos com foco em julho, já que os Jogos de Tóquio estão mantidos para a data original.

"É uma decisão bem difícil, mas a prioridade número um é a saúde dos atletas e de todos que estão envolvidos com os Jogos Olímpicos. Acredito que essa vai ser a diretriz do COI (Comitê Olímpico Internacional). Antes de qualquer outro interesse vem a saúde. Vamos ver o que vai acontecer no próximo mês e como se desenrolará tudo isso. Nesse período, vamos continuar nossas vidas pensando que os Jogos Olímpicos serão em julho", avisou.

A Itália tem sido bastante afetada pela pandemia do novo coronavírus. É o país com mais mortes no mundo, com um total de 5.476, e 59.138 casos. Em muitas regiões a situação é dramática e o país decretou quarentena em todas as localidades para tentar diminuir a expansão do vírus na população.

VOLTANDO AO BRASIL - Milena Titonelli voltou do Pré-Olímpico com sua vaga no taekwondo para os Jogos de Tóquio, mas nem pôde comemorar direito por causa das restrições para quem retorna ao Brasil.

"Graças a Deus conseguimos voltar para casa porque corríamos o risco de nem conseguir pegar o voo de volta por causa do coronavírus. Foi tudo tranquilo, mas ainda não consegui comemorar a vaga com meus companheiros de equipe e família", contou a lutadora.

Ela recebeu diversas recomendações e tem mantido contato diariamente com o médico Thalles Messora, de sua equipe, a Two Brothers Team. "Tivemos todos os cuidados necessários."



Relacionados

Vôlei | 06-02-2020 14:40

Crise do Maringá Vôlei faz atleta vender seu carro para pagar dívidas

Crise do Maringá Vôlei faz atleta vender seu carro para pagar dívidas

Curitiba | 08-01-2020 14:43

Curitiba Vôlei volta às quadras nesta sexta-feira (10)

Curitiba Vôlei volta às quadras nesta sexta-feira (10)

Vôlei | 14-12-2019 18:25

Duda é eleita a melhor jogadora do Circuito Mundial pelo 2º ano seguido

Duda é eleita a melhor jogadora do Circuito Mundial pelo 2º ano seguido

Vôlei | 10-12-2019 12:00

Astro da seleção francesa de vôlei é preso em MG por importunação sexual

Astro da seleção francesa de vôlei é preso em MG por importunação sexual