Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Amigo de Robinho citado em processo de estupro trabalha no Instituto Neymar

05/06/24 às 11:02 - Escrito por Band
siga o Tarobá News no Google News!


No último dia 19 de maio, Fabio Galan era um dos integrantes da equipe do Instituto Neymar Jr. nos 10 km Tribuna FM, a prova de corrida de rua mais importante de Santos. Funcionário da entidade criada pelo ex-camisa 10 do Santos, Galan é um dos envolvidos na investigação italiana do estupro que levou Robinho à prisão. Ele não foi julgado por não ter sido encontrado pela Justiça italiana.


A coluna apurou que Galan trabalha no instituto de Neymar desde 2015. O crime na Itália aconteceu dois anos antes, em 21 de janeiro de 2013. Segundo a Justiça italiana, o grupo de amigos de Robinho estuprou uma mulher albanesa no dia do aniversário de 23 anos dela.


No podcast "Os Grampos de Robinho", do UOL Esporte Histórias, Galan aparece em longas conversas com o ex-jogador. Em diálogos, eles dão risada da situação, falam de combinar versões sobre o crime e xingam a vítima de nomes pejorativos (veja ao final do texto alguns trechos transcritos de uma conversa da dupla sobre o caso, em janeiro de 2014). Nas conversas, Fabio nega ter tido relações sexuais com a mulher porque, segundo ele, teve disfunção erétil. 

Leia mais:

Imagem de destaque
APOSTAS ABERTAS

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio chega a R$ 21 milhões

Imagem de destaque
COB

Brasil fecha delegação para Paris com inédita maioria de mulheres

Imagem de destaque
ORIENTAÇÕES

Saúde atualiza gestores e profissionais sobre normas em vacinas

Imagem de destaque
POSTO INVESTIDOR

Apenas uma empresa apresenta proposta na privatização da Sabesp


Galan é professor de educação física pela Prefeitura de São Vicente desde 2013. Há nove anos, ele se divide entre a prefeitura e o instituto. Além de aparecer ao fundo em alguns vídeos divulgados nas redes sociais da instituição, Galan era citado em notícias da instituição como "supervisor de atividades esportivas". A última menção a ele é de setembro de 2022.


Na denúncia do Ministério Público italiano, é dito que "Galan, Falco, Rudney e Clayton, depois de presenciarem o ocorrido, abusaram da mesma forma da vítima, obrigando-a a praticar relações sexuais orais e vaginais". Segundo depoimento da vítima, Galan "tentou beijá-la". Ela ainda diz que foi levada ao camarim e penetrada pelos homens "um de cada vez". A mulher ainda "lembra de ter acontecido uma relação oral com Galan e Rudney".


Em nota enviada à coluna, o Instituto Neymar disse que Galan trabalha no local desde 2015 e que "nunca foi comunicado do envolvimento, de qualquer espécie, do seu colaborador com o caso citado". 


"O Sr. Fábio Galan é nosso colaborador desde o início das nossas atividades em 2015. O Instituto Projeto Neymar Júnior nunca foi comunicado do envolvimento, de qualquer espécie, do seu colaborar com o caso citado. Preservamos os direitos e privacidade de todos. Como não fomos comunicados de qualquer procedimento, respeitamos o devido processo legal e a presunção de inocência, direito fundamental de todo cidadão. Ficamos à disposição."


A coluna procurou Galan, mas ele não respondeu às mensagens enviadas. Quando o podcast foi publicado, ele também não quis se manifestar.


No total, seis homens são mencionados durante as investigações como supostos agressores: além de Robinho, que está cumprindo pena na penitenciária do Tremembé, em São Paulo, e Galan, os outros quatro são Clayton Santos, Alexsandro da Silva, Rudney Gomes e Ricardo Falco. Falco foi condenado ao lado de Robinho na Itália. Os outros quatro deixaram o país antes de serem localizados pelos investigadores. Nesta semana, o STJ marcou a data do julgamento de Falco, que também pode cumprir pena no Brasil.


Veja abaixo trechos de conversas entre Robinho e Galan, na primeira vez que falaram sobre o estupro, em janeiro de 2014, um ano após o acontecimento, assim que o ex-jogador soube que havia uma investigação em andamento. Os áudios fazem parte do processo legal que levou à condenação de Robinho e Falco em todas as instâncias. Logo depois, os episódios do podcast.


Robinho: Chamaram o Jairo para depor, oito caras comendo a menina.


Galan: Tá louco, neguinho, essa merda aí?


Robinho: Chamou o Jairo para depor, deu o nome de todos. Fabio Cassis Galan.


Galan: Mentira.


Robinho: O cara já tinha os nomes todos. E se sair na imprensa, os caras vêm pra cá?


Galan: Tu acha que vão chamar a gente para depor?


Robinho: Eu, com certeza. Vocês, se chamar, estão no Brasil. E eu que to aqui? Meu medo é sair na imprensa essa p... O Jairo foi lá e pediu o telefone de quem estava. Quem estava? Robinho, a esposa...

Galan: Tira o seu da reta, mano.


A seguir, segundo mostrou o podcast, o Ministério Público italiano destacou esses trechos na investigação como 'declarações em que Robinho acusa outra pessoa. Galan, por sua vez, se demonstra mais preocupado com a carreira do amigo do que com a mulher. 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá