Cinco adolescentes continuam foragidos após rebelião na Paraíba

Estadão Conteúdo
Brasil | Publicado em 05/06/2017 às 15:30

Cinco jovens continuam foragidos após rebelião no sábado, 3, ocorrida no Lar do Garoto, unidade socioeducativa de adolescentes e jovens, em Lagoa Seca (PB). A informação foi confirmada pelo diretor da Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Alice de Almeida (Fundac), Noaldo Meireles. Um dos líderes da rebelião, que terminou com a morte de sete jovens, está entre os foragidos.

A recontagem dos internos foi feita na manhã desta segunda-feira, 5, quando também foram identificados os líderes. De início, eram estimados 17 fugitivos, mas após a chamada por ala, o número reduziu para cinco. Segundo Meireles, a violência foi motivada por rixas, como discussões sobre futebol e o caso de um jovem que teria furtado a casa de parentes de outro interno.

No total, sete quartos foram destruídos. O diretor da Fundac esteve em reunião durante a manhã desta segunda-feira para discutir a questão da segurança na unidade e a criação de vagas. "Precisamos ampliar para mais 40 vagas", disse.

O membro do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Vitor Cavalcante, declarou que o alerta de superlotação foi feito em relatório entregue em maio do ano passado ao Governo do Estado. "Umas das questões era que garotos provisórios ficavam juntos de jovens condenados", apontou.



Relacionados

Brasil | 21-09-2018 12:40

Primavera começa neste sábado e deve ter temperaturas acima da média

Primavera começa neste sábado e deve ter temperaturas acima da média

Brasil | 21-09-2018 11:05

Metralhadora apreendida no Rio é um 'canhão' capaz de partir um veículo ao meio

Metralhadora apreendida no Rio é um 'canhão' capaz de partir um veículo ao meio

Brasil | 21-09-2018 07:30

Ensino superior cresce no País, mas graças à modalidade a distância

Ensino superior cresce no País, mas graças à modalidade a distância

Brasil | 20-09-2018 19:45

Suicídio aumenta 16,8% no Brasil entre 2007 e 2016

Suicídio aumenta 16,8% no Brasil entre 2007 e 2016