Governador do Rio garante que entregará hospitais de campanha

Estadão Conteúdo
Brasil | Publicado em 23/05/2020 às 20:23

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), garantiu em nota à imprensa que todos os hospitais de campanha para o combate da covid-19 no Estado serão entregues. Em suas redes sociais, ele disse que é preciso garantir o atendimento à população e que há preocupação com a possibilidade de uma segunda onda de contaminação.

"Todos os hospitais de campanha serão entregues. Junto com o comitê de especialistas e o secretário de Saúde, Fernando Ferry, ratificamos a preocupação com a segunda onda da doença. Estamos seguros sobre o atendimento às pessoas e garantiremos a retomada da atividade econômica", disse no Twitter neste sábado, 23.

Na quinta-feira passada, Ferry afirmou em entrevista ao telejornal RJTV, da Rede Globo, que alguns dos hospitais de campanha que estão atrasados poderiam não ser entregues.

Segundo o secretário, o atraso para a conclusão das obras e os números positivos da pandemia podem tornar as unidades desnecessárias.

A entrega dos hospitais de campanha no Estado do Rio está atrasada.

Em outra postagem no Twitter, Witzel afirmou que "erros serão consertados" e "irregularidades devidamente apuradas". "E quem se aproveitou desse terrível momento para se beneficiar deve ser julgado e punido. Não tenho compromisso com coisa errada. Vamos seguir juntos e fortes. E vamos vencer. Junto com os fluminenses", postou.

O governo tem enfrentado denúncias de corrupção em meio à pandemia, que já matou 3.905 fluminenses. O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) afirma que a secretaria estadual de Saúde do Rio gastou R$ 123,58 milhões a mais do que seria normal ao adquirir respiradores para equipar suas unidades de saúde no combate à pandemia do novo coronavírus.

Em auditoria cujo resultado foi divulgado na noite desta sexta-feira, 22, o órgão apontou o ex-secretário estadual de Saúde Edmar José Alves dos Santos e o ex-subsecretário Gabriell Carvalho Neves Franco dos Santos como principais responsáveis pelas irregularidades e solicita a apresentação de defesa ou o ressarcimento aos cofres públicos de R$ 36,59 milhões.

A auditoria foi realizada pela Secretaria Geral de Controle Externo do TCE-RJ entre os dias 27 e 30 de abril e analisou três contratos assinados para a aquisição de mil respiradores, no valor total de R$ 183,58 milhões. Foram contratadas três empresas: ARC Fontoura Indústria Comércio e Representações, A2A Comércio Serviços e Representações e MHS Produtos e Serviços.

Mais cedo, o governo do Estado do Rio de Janeiro informou, em nota, que a Controladoria Geral do Estado (CGE) ainda não foi comunicada do resultado da auditoria do TCE, por isso, não poderia se manifestar.

A reportagem tentou ouvir os dois acusados e as três empresas envolvidas, sem sucesso até a publicação deste texto.



Relacionados

Brasil | 26-05-2020 18:10

Um em cada quatro brasileiros não tem acesso à internet, mostra pesquisa

Um em cada quatro brasileiros não tem acesso à internet, mostra pesquisa

Brasil | 26-05-2020 13:55

COVID-19 no Brasil: várias epidemias num só país

COVID-19 no Brasil: várias epidemias num só país

Brasil | 26-05-2020 13:25

Mortes por covid-19 no Brasil podem bater 88,3 mil em agosto, alerta Opas

Mortes por covid-19 no Brasil podem bater 88,3 mil em agosto, alerta Opas

Brasil | 26-05-2020 12:12

Número de transplantes de órgãos no Brasil cai 34%

Número de transplantes de órgãos no Brasil cai 34%