Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Irmã diz não ter dúvida de que Marielle Franco foi executada

15/03/18 às 19:15 - Escrito por Estadão Conteúdo
siga o Tarobá News no Google News!

A irmã de Marielle Franco declarou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo não ter dúvidas de que a vereadora do PSOL foi executada. "Só não sei de onde veio", disse em relação à autoria do crime.

Professora de Inglês, Anielle Silva, de 33 anos, mantinha contato quase diário com a irmã de 38. Ela garante nunca ter ouvido qualquer relato de ameaça à vereadora, mesmo depois de entrar na comissão que acompanha a intervenção federal no Rio de Janeiro. "Nem eu, nem a equipe dela. Ela estava muito tranquila em relação a tudo", comenta. "Ela não tinha medo."

Para a professora, o assassinato deve ter sido planejado recentemente. "Acho que foi algo tão rápido que não teve nem tempo de fazer ameaça", afirma.

Leia mais:

Imagem de destaque
COB

Brasil fecha delegação para Paris com inédita maioria de mulheres

Imagem de destaque
ORIENTAÇÕES

Saúde atualiza gestores e profissionais sobre normas em vacinas

Imagem de destaque
POSTO INVESTIDOR

Apenas uma empresa apresenta proposta na privatização da Sabesp

Imagem de destaque
EXPOSIÇÃO

INSS confirma exposição de dados de até 40 milhões de segurados

Marielle voltava para sua residência na Tijuca, na zona norte do Rio, quando foi morta a tiros. Segundo Anielle, a irmã tinha a preocupação em encerrar os eventos cedo, antes das 21 horas, mas não por causa da própria segurança, mas das demais mulheres que participavam dos encontros.

As duas irmãs cresceram no Complexo da Maré, também na zona norte, onde ainda tem familiares e na qual foram criadas pela mãe, a advogada Marinete Silva. São elas, mãe e irmã, que estão cuidando da única filha da vereadora, a estudante de Educação Física Luyara Santos, de 19 anos.

Anielle soube da morte da irmã por amigos, que viram as primeiras notícias do assassinato nas redes sociais. "Já estava público (o assassinato). Eu estava colocando a minha filha para dormir", lembra ela.

Após a notícia, ela foi até a cena do crime e, na manhã desta quinta-feira, 15, foi ao Instituto Médico Legal (IML) liberar o corpo.

Segundo ela, Marielle sempre teve uma grande preocupação com as causas sociais, antes mesmo do mandato. "A gente era muito próxima uma da outra. Falava de tudo", conta.

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá