Polícias do Rio negociam uso de fuzis apreendidos no Galeão

Estadão Conteúdo
Brasil | Publicado em 05/06/2017 às 18:10

A Secretaria Estadual de Segurança Pública do Rio de Janeiro (Seseg) vai pedir à Justiça que os 60 fuzis apreendidos na última quinta-feira, 1º, no Aeroporto Internacional do Galeão, na Ilha do Governador, na zona norte da capital fluminense, possam ser usados pelas polícias do Estado. O órgão já fez reuniões com o Exército e o Tribunal de Justiça e aguarda laudo pericial para fazer a solicitação.

De acordo com o delegado Fabrício Oliveira, a polícia terá que refazer a numeração de cada arma para que elas possam ser usadas pelas forças de segurança.

Segundo os peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), da Polícia Civil, a numeração de série havia sido removida de todos os fuzis periciados até o momento.

"Acredito que, nos próximos dias, após a confecção dos laudos periciais, podemos ter uma resposta em relação ao aproveitamento das armas. Vai caber ao Judiciário e ao Exército", disse o delegado. "Acreditamos em um entendimento. Seria de grande importância, levando em conta situação financeira da Polícia Civil."

Quadrilha

O brasileiro Frederik Barbieri foi identificado por investigadores como o responsável por enviar os fuzis de Miami, nos Estados Unidos, para o Rio. Ele seria integrante de uma quadrilha de tráfico internacional de armas. Ele está sendo procurado pela polícia dos Estados Unidos, que coopera com as autoridades do Rio de Janeiro.

Quatro suspeitos de integrar a quadrilha foram presos na operação de quinta-feira.



Relacionados

Brasil | 06-10-2018 16:19

Mais de 120 jornalistas são agredidos ao cobrir as eleições de 2018

Mais de 120 jornalistas são agredidos ao cobrir as eleições de 2018

Brasil | 05-10-2018 17:44

Nova lista suja de trabalho escravo denuncia 209 empresas

Nova lista suja de trabalho escravo denuncia 209 empresas

Brasil | 05-10-2018 17:37

Terras indígenas não demarcadas devem ter posto de saúde, decide TRF1

Terras indígenas não demarcadas devem ter posto de saúde, decide TRF1

Brasil | 05-10-2018 16:21

Missa e minuto de silêncio marcam 1 ano de incêndio

Missa e minuto de silêncio marcam 1 ano de incêndio

PUBLICIDADE