Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

COLETIVA: Denarc e Gaeco dão detalhes sobre segunda fase da Operação Carga Fria

19/06/24 às 10:10 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

Uma coletiva de imprensa foi concedida nesta manhã pela Denarc e pelo Gaeco, dando detalhes sobre a segunda fase da Operação Carga Fria, deflagrada na manhã desta quarta-feira (19), nos estados do Paraná (Toledo, Cascavel, Pato Bragado, Marechal Cândido Rondon, Capitão Leônidas Marques e Capanema), Rio de Janeiro (capital), São Paulo (capital), Minas Gerais (Ribeirão das Neves) e Santa Catarina (Balneário Camboriú). 


Ao todo, foram 92 ordens judiciais contra uma organização criminosa, com núcleo estabelecido no oeste do Paraná, responsável por distribuir drogas para os Estado do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul. 


Na primeira fase da operação, denominada “Carga Fria”, deflagrada em agosto de 2023, foram presas 15 pessoas, apreendidas onze armas de fogo e sequestrados aproximadamente 25 milhões de reais em bens móveis, imóveis e dinheiro. 

Leia mais:

Imagem de destaque
SEM ÁGUA

Conserto emergencial uma rede de distribuição de Cambé afeta abastecimento

Imagem de destaque
ACIDENTE GRAVE

Idosa é atropelada por um ônibus em cruzamento no centro de Arapongas

Imagem de destaque
ENCAMINHADO AO HOSPITAL

Homem fica ferido após ser atropelado no Distrito da Vila Reis, em Apucarana

Imagem de destaque
APÓS ABORDAGEM

PRF apreende mais de 300 quilos de maconha após abordagem na PR-445


Na segunda fase, foram cumpridos 11 mandados de prisão preventiva, 7 mandado de medidas cautelares diversas e 29 mandados de buscas e apreensões em endereços ligados aos suspeitos. Além disso, foi determinado o sequestro de 17 veículos, entre caminhões e carros, e o bloqueio de bens móveis, imóveis e ativos financeiros de 24 pessoas e 13 empresas. 


A investigação, de alta complexidade, iniciou em março de 2023, com a apreensão de cerca de duas toneladas de maconha em um fundo falso de caminhão frigorífico. 

 

Com as investigações, identificado um dos locais usados para armazenamento da droga, onde, durante cumprimento de buscas, foi localizado um bunker, sob um chiqueiro de porcos, um segundo caminhão frigorífico com fundo falso, homiziado na mata, além de grande quantidade de munição de fuzil.

 

A investigação apontou que a droga era retirada da região dos lagos do Itaipu, armazenada em chácaras na região de Toledo/PR, e posteriormente alocada em fundos falsos de caminhões frigoríficos para envio ao destino, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul, entregues a facção nacionalmente instalada. 


A escolha de caminhões com cargas frigorificadas advém da dificuldade de fiscalização destas, já que o rompimento do lacre pode comprometer todo o produto.   


Durante as investigações, foram apreendidas quase sete toneladas de maconha, avaliadas em cerca de dez milhões de reais.   

 

Entre os investigados, um policial civil do Estado de São Paulo, que foi afastado das funções na primeira fase e nesta foi preso. Ele auxiliava na logística da distribuição e com informações privilegiadas obtidas em razão das funções.


Dias antes da deflagração, dois dos investigados foram alvos de diversos disparos de arma de fogo, na Cidade de Marechal Cândido Rondon. Um deles morreu no local e o outro, o policial civil de São Paulo, ficou gravemente ferido. 


As investigações, conduzidas pela polícia civil local, com apoio da equipe da DENARC, apontou que os dois autores também eram alvos desta operação. Eles foram presos em edifício luxuoso, na Cidade de Toledo, para onde mudaram logo após o crime. Segundo apurado, o desacerto entre os membros da organização advém do esfacelamento causado pela Operação Carga Fria, com suspeitas sobre os delatores e disputa de liderança, já que o chefe permanece preso.  


Um dos alvos, premiado jornalista no Rio de Janeiro, proprietário de mídia digital, é apontado como responsável pela contabilidade da organização, guarda dos valores e gerência das contas bancárias. 


A movimentação milionária do grupo criminoso ocorria através de dinheiro em espécie e de contas bancárias abertas em nome de interpostas pessoas, físicas e jurídicas. Investigações apontam que a organização movimentou, em cerca de quatro anos, mais de cem milhões de reais.


Com o proveito da atividade criminosa os investigados adquiriam bens móveis, imóveis e ouro. Os chefes da organização ostentavam padrão de vida elevado, com apartamentos e casas milionárias, viagens, carros luxuosos e veículos aquáticos. 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá