Linha 4

Publicidade

Dois homens acusados de matar vendedor são soltos pela justiça em Londrina

Da Redação

Dois homens acusados de participarem da morte de Otoniel de Paula em junho do ano passado foram soltos pela justiça nesta terça-feira (13). Welves dos Santos Silva e Robson Antônio dos Santos passaram a responder o crime em liberdade por decisão do juiz da 1ª Vara Criminal.

De acordo com o magistrado, os dois acusados não oferecem nenhum tipo de perigo para a sociedade e, por isso, ele determinou a soltura. Eles teriam comprado o carro de Otoniel e queimado todos os pertences da vítima logo após a morte.

Os outros dois acusados pela morte de Otoniel continuam presos. O caso está sendo apurado como homicídio. As audiências já aconteceram e em breve a Justiça deve decidir se mandará os quatro homens a júri popular. Assista!

Relembre o caso

O vendedor de máquinas de cartões de débito e crédito Otoniel De Paula, que também era motorista de aplicativo, foi encontrado morto no dia 6 de junho de 2020 no Contorno Norte de Ibiporã, na BR-369. Ele desapareceu três dias antes, enquanto trabalhava na zona leste da cidade.

As investigações concluíram que Otoniel de Paula foi assassinado por um de seus clientes, que estava com problemas em uma máquina de cartão que havia sido vendida pelo motorista.

No dia do crime, eles teriam se encontrado no barracão onde um dos réus trabalha para conversar sobre o problema da máquina. O autor do crime teria se descontrolado e batido na cabeça de Otoniel várias vezes com uma barra de ferro, com a ajuda de um amigo, causando a sua morte. Eles enrolaram o corpo em um saco plástico e abandonaram às margens da rodovia.

Em seguida, venderam o veículo que o motorista utilizava um terceiro homem, que o levou para sua propriedade rural em Sabáudia (50 km de Londrina). O comprador do veículo, junto com o caseiro da propriedade, queimou os pertences de Otoniel que estavam dentro do veículo. Eles é que tiveram decretada a soltura enquanto aguardam a decisão da justiça sobre um possível júri popular.

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade