Linha 4

Publicidade

Morre Doraci Pietro, conhecido como Xico Tebaldi

Redação Tarobá News

Morreu nesta madrugada (08), o fotógrafo, Doraci Pietro, conhecido como Xico Tebaldi, em Cascavel. O grande fotógrafo começou a trabalhar na prefeitura em 1976 e colecionava fotos do município. Por isso teve a iniciativa de começar o Museu da Imagem e do Som de Cascavel.

Ele estava internado no Hospital Universitário e não resistiu as complicações da Covid-19.

HISTÓRIA

Doraci Pedro Tebaldi é cascavelense, nascido em 16 de fevereiro de 1960, na comunidade de Colônia São Pedro – na época Distrito de Corbélia, que faz divisa com Cachoeira em São João do Oeste. Seus pais Giacondo Tebaldi e Terezinha Aurora Silvestro Tebaldi se instalaram nessa comunidade em 1955, junto com tios e avós. Ali a família Tebaldi residiu até 1970, passando a se instalar na área urbana de Cascavel, no bairro São Cristóvão, instalando a Madeireira Ouro e Prata. Nessa empresa da família começou a trabalhar com seus doze anos de idade.

Em 1976, Xico Tebaldi inciou sua vida profissional como fotógrafo do jornal Fronteira do Iguaçu, onde aprendeu no exercício a profissão, tornando-se um dos cinco mais célebres fotógrafos da época (anos 80 e 90). Venceu vários concursos de fotografia e acabou contratado pelo Município de Cascavel, para o qual trabalhou entre 1979 e 1983. Também prestava serviço ao jornal O Paraná e posteriormente foi contratado pela Folha de Londrina, onde atuou até 1988. Em seguida, iniciou sua vida profissional como empresário, atuando em pesquisas eleitorais, inicialmente na Gepetto Pesquisa e, posteriormente, na empresa Exata Pesquisas, atividade que ainda mantém.

Foi um dos fundadores da Associação dos Jornalistas de Cascavel, em 1989. Atuou na década de 80 em diretorias e comandos do SEC São Cristóvão, um time de futebol amador que ainda se mantém atuante. Trabalhou vários anos como fotógrafo e cinegrafista profissional autônomo. 

O Museu da Imagem e do Som (MIS) de Cascavel, hoje instalado no prédio do Centro Cultural Gilberto Mayer, foi fundado em 21 de abril de 1988, praticamente, pela iniciativa do fotógrafo Xico Tebaldi que, ao longo de 12 anos, resolveu colecionar fotos antigas, quer de sua autoria e posse e ou, captando originais cedidos ou emprestados pelos pioneiros para fazer cópias das mesmas. Com milhares de fotos em seu acervo particular, e muitos negativos, inicialmente a meta era montar um museu particular de fotografias. No entanto, após conversar com os amigos, foi incentivado e resolveu doar todo o material coletado, desde que fosse criado o Museu da Imagem e do Som, desafio este aceito pelo prefeito da época, Fidelcino Tolentino.

Desde então, com o Município assumindo o projeto, até então particular, Cascavel registra hoje mais de 50 mil documentos entre fotos, negativos, fitas de vídeo, slides e filmes, que contam o período da colonização e desenvolvimento da cidade de Cascavel. Com isso, se caracteriza como um instrumento que não só preserva a memória, mas também estabelece relações de identidade da população e do município. Nestas três décadas, o MIS se tornou uma estrutura estável como parte da Secretaria Municipal de Cultura, renovada e recentemente digitalizada, à disposição de toda Cascavel.  

Vale ressaltar, que Tebaldi realizou todo este trabalho ainda jovem, entre seus 25 e 30 anos de vida e persiste até hoje. Após criado o MIS, Xico Tebaldi acompanhou durante alguns anos o processo de implantação, guarda adequado dos filmes e das fotografias, tanto que até hoje, são adequadamente mantidos e ou, foram transferidos por técnicos, em imagem digital. Chico dedicou-se voluntariamente uma década no resgate das fotografias junto aos pioneiros de Cascavel, obtendo a original ou, fazendo cópias fotográficas das mesmas, oferecendo rico acervo histórico desde os primórdios que certamente será vistas por centenas de anos.

Fonte: Câmara de Vereadores e Museu




COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade