Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Polícia Federal de Cascavel deflagra operação de combate a crimes financeiros

28/11/23 às 08:04 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (28/11) a Operação Engodo, contra suspeitos de operarem esquema ilegal de pirâmide financeira. 


Policiais Federais saíram às ruas para cumprir 2 mandados de busca e apreensão em Cascavel/PR, ambos expedidos pela 9ª Vara Federal de Curitiba/PR e em desfavor dos controladores do “Clube de Investimentos Grupo Cvel/PR”. A Justiça também autorizou o bloqueio de três imóveis pertencentes aos investigados, além de veículos, contas bancárias e ativos financeiros. 


As investigações, iniciadas em novembro de 2022, revelaram que, primeiramente, os investigados emitiram e ofereceram ao público valores mobiliários consistentes em contratos de investimento coletivo em nome do “Clube de Investimentos Grupo Cvel/PR”. Referido clube foi criado e usado para captar economias de investidores e, supostamente, operar na bolsa de valores com a promessa de retorno financeiro bem acima da média de mercado. 

Leia mais:

Imagem de destaque
CONFIRA

Londrina tem mais de 280 vagas de emprego disponíveis para esta semana

Imagem de destaque
VEJA VÍDEOS

Chuva deixa carros ilhados e casas alagadas em várias regiões de Londrina

Imagem de destaque
PROVISÓRIA

Concessionária libera linha para passagem de trens após acidente em Rolândia

Imagem de destaque
MORADORES "ILHADOS"

Linha férrea provisória é construída em local de acidente entre trem e carreta


Restou demonstrado que o clube de investimentos aplicou somente parte dos valores arrecadados no mercado mobiliário e, ainda, que os recursos aplicados normalmente geravam prejuízos. 


Uma das investigadas chegava a emitir para as vítimas documentos falsos como termos de adesão, notas de corretagens, demonstrativos de patrimônio do clube e declarações de rendimentos, inclusive com uso da marca do Banco Mercantil do Brasil, que negou relação com o clube.


Com o passar do tempo, e como é comum em esquemas semelhantes, os investigados não conseguiam mais honrar os compromissos assumidos perante os investidores. 


A ação criminosa ocorreu entre 2018 e 2022 e quase uma centena de vítimas investidores registraram as fraudes em boletins de ocorrências e alegaram prejuízo da ordem de R$ 15.344.890,15. Estima-se, entretanto, que a captação dos recursos tenha superado os 38 milhões de reais. 


Os envolvidos responderão por diversos crimes, dentre os quais operar instituição financeira sem autorização, induzir e manter investidor em erro, fraudar o investidor e apropriação e desvio.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá