Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Projetos que reajustam salários da GM são retirados de pauta pela Prefeitura

19/06/24 às 12:31 - Escrito por Assessoria de Imprensa
siga o Tarobá News no Google News!

A pedido do prefeito Marcelo Belinati (PP), os dois projetos de lei (PLs) que reajustam os salários dos guardas municipais (PL nº 111/2024 e PL nº 112/2024) foram retirados da pauta da sessão plenária desta terça-feira (18) da Câmara Municipal de Londrina (CML), quando seriam votados em primeiro turno. Se não forem novamente retiradas, as propostas devem voltar para discussão na quinta-feira (20). Enquanto o PL nº 111 propõe um aumento de 27,12% nos vencimentos (salários) dos guardas municipais, aplicado em três parcelas, o PL nº 112 concede aos agentes uma progressão automática de 34 níveis na tabela de vencimentos – tabela que traz os valores dos salários conforme a obtenção de qualificações pelos servidores. Também nesta terça, o plenário da CML aceitou o requerimento assinado por 12 vereadores solicitando urgência na tramitação do projeto de lei nº 118/2024, enviado nesta segunda (17) pela Prefeitura para incluir o reajuste de 27,12% na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em vigor. Com isso, a proposta também deve ser votada na quinta-feira.


Os projetos 111 e 112/2024 foram protocolados na Câmara pela Prefeitura de Londrina em 5 de junho. Mas os pareceres da Procuradoria e da Controladoria do Legislativo apontaram que os projetos, da forma como apresentados, desrespeitam a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a Lei das Eleições. Conforme os pareceres técnicos da Casa, as propostas vieram sem estudos de impacto orçamentário-financeiro e declarações de que os aumentos são compatíveis com as leis orçamentárias em vigor. Ainda de acordo com a Controladoria, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024 não autoriza a concessão dos reajustes propostos. Além disso, como a proposta terá efeito a partir de julho, ela promoverá aumento de despesa com pessoal nos 180 dias anteriores ao final do mandado do prefeito, o que é proibido pela LRF. O parecer jurídico indicou ainda que os projetos violam a Lei das Eleições (lei federal nº 9.504/1997), que não permitiria reajustes salariais acima da inflação anual nos 180 dias anteriores às eleições, marcadas para 6 de outubro deste ano. 


“Uma coisa é certa, a Prefeitura tinha que ter protocolado esses projetos com o tempo mais folgado e com todas as documentações. Projetos protocolados sem o orçamento, isso não pode acontecer. O quanto isso impactará nas contas públicas do Município? Não tem orçamento, não está previsto na LDO, como que a gente aprova um projeto desse? A Câmara nunca se furtou dos debates e de aprovar projetos importantes. E o da guarda, então, nem se fala. Estamos focados nisso, mas não depende apenas do nosso querer. Existem processos para que os projetos possam ser analisados e é isso que nós estamos fazendo”, explicou o presidente do Legislativo, vereador Emanoel Gomes (Republicanos).

Leia mais:

Imagem de destaque
SEM ÁGUA

Conserto emergencial uma rede de distribuição de Cambé afeta abastecimento

Imagem de destaque
ACIDENTE GRAVE

Idosa é atropelada por um ônibus em cruzamento no centro de Arapongas

Imagem de destaque
ENCAMINHADO AO HOSPITAL

Homem fica ferido após ser atropelado no Distrito da Vila Reis, em Apucarana

Imagem de destaque
APÓS ABORDAGEM

PRF apreende mais de 300 quilos de maconha após abordagem na PR-445


Após a cobrança dos vereadores, a Prefeitura encaminhou ontem o PL 118/2024, inserindo a previsão na LDO 2024 do reajuste nos vencimentos dos guardas, o qual será aplicado em três etapas: 7,5% a partir de julho de 2024; 7,5% a partir de setembro de 2024; e 10% a partir de novembro de 2024. Nesta terça, o Executivo também encaminhou os impactos orçamentário-financeiros tanto do PL 111 quanto do PL 112/2024. Os documentos serão analisados pela Controladoria do Legislativo.


 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá