Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Segundo investigação, atirador planejou o ataque a Cambé desde 2020

20/06/23 às 20:28 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

Na tarde desta terça-feira (20), o homem de 21 anos que entrou armado no Colégio Estadual Helena Kolody, em Cambé, e matou dois adolescentes foi transferido para uma unidade prisional, mas o local não foi informado. Ele estava detido na Central de Flagrantes de Londrina desde o dia do ataque, 19 de junho.

 

O assassino efetuou pelo menos 16 disparos no colégio onde estudou até 2014, e foi preso após o crime. O delegado-chefe da 10ª Subdivisão de Policia Civil, Amarantino Ribeiro, informou que as pericias ainda estão sendo concluídas e que a motivação do crime seria por vingança, e que o atirador sofria bullying na época da escola.

Leia mais:

Imagem de destaque
OPORTUNIDADE

Grupo Muffato e Secretaria do Idoso promovem ação de empregabilidade para pessoas 50+

Imagem de destaque
MOTOCICLISTA FERIDO

Câmera de segurança flagra acidente entre carro e moto em Arapongas

Imagem de destaque
EM LONDRINA

Motoristas de aplicativo protestam em busca de vagas destinadas à categoria

Imagem de destaque
EM CAMBÉ

Prefeito sanciona projeto que proíbe consumo de bebidas alcoólicas em praças

 

A Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná (SESP/PR) confirmou que um outro rapaz de 21 anos foi preso por suspeita de envolvimento no ataque. Segundo nota divulgada pela SESP, o jovem preso pode ter ajudado a organizar o episódio no colégio.

 

As investigações da Polícia Civil apontaram que o atirador esteve no colégio um mês para fazer um levantamento do local antes do ataque.

 

“Quando ele começou a efetuar os disparos, houve um grande alvoroço e ele foi contido por uma pessoa que chegou quase junto a Policia Militar. Ele alega que não teve tempo de se suicidar por que a arma não disparou”, afirmou o delgado.

 

As investigações vão apontar se há mais pessoas envolvidas no ataque. Documentos do atirador que foram apreendidos estão sendo analisados pela polícia. “Nós temos arquivos dele em que ele narra desde 2020 o que ele vem pensando, o que ele vem idealizando para praticar o ato. Estamos analisando com bastante cautela, porque a gente pretende alcançar quem esteja envolvido efetivamente, mas também para prevenir possíveis outros ataques”, relatou. 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá