Linha 4

Publicidade

Prefeitos vão discutir possível hospital de campanha para Região Metropolitana

Weslley Lemos

Com o momento crítico da pandemia em toda Região Metropolitana, com leitos superlotados, municípios estão procurando alternativas para evitar um colapso no sistema de saúde. Os prefeitos da região devem se reunir na sexta-feira (26) para discutir medidas para evitar o avanço do coronavírus. Conrado Scheller (DEM), chefe do executivo de Cambé, ressaltou que as decisões não necessariamente serão tomadas de forma unificada. 

Uma possibilidade é o pedido de hospital de campanha para a Secretaria de Estado da Saúde que atenderia todas as cidades ao mesmo tempo. Questionado sobre um lockdown, ou seja, fechamento de todos os serviços essenciais, o prefeito não descartou a possibilidade, mas explicou que não é a intenção neste momento. Na visão dele, o ideal seria a conscientização das pessoas que não estão cumprindo as regras de segurança contra a Covid-19 para amenizar a situação. 

“Primeiro precisamos alcançar quem não está cumprindo as regras. Um lockdown completo pode ser útil, se tiver que fazer, vou fazer, não estou aqui para receber aplausos e nem com medo de tomar medida impopular”, afirmou.

Mini hospital de campanha em Cambé
Scheller promete estender o atendimento na unidade Maria Anideje, que atende por 24h, com um mini hospital de campanha. “Vamos construir tendas em volta para poder dar abrigo e distanciamento para quem procura para ver se está contaminado ou não”, afirmou.

O chefe do executivo demonstrou preocupação com a taxa de ocupação no Hospital Universitário (HU) de Londrina e afirmou que está mantendo reuniões com as equipes de saúde para tomar decisões. Prometeu que a unidade 24h, também terá novos leitos.

“Estamos remanejando espaços para ficar com as pessoas que estão acometidas com Covid, onde era escritório vai virar enfermaria também, quando o 24h não suportar mais, vamos para outro espaço público, alguma Unidade Básica de Saúde”, explicou.

Garantia de atendimento
Mesmo com o momento delicado da pandemia, Scheller tranquilizou os moradores de Cambé. “Vamos atender a comunidade, não vai ficar desassistida, mas precisamos que a comunidade participe e faça a parte dela, é finita a nossa capacidade de aumentar leitos”, disse. Assista!

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade