Fundetec gradua empresa Japan Solar, pioneira na utilização do grafeno

Redação Tarobá News
Cotidiano | Publicado em 10/07/2020 às 15:31

A Fundetec (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico), por meio do CIT (Centro Incubador Tecnológico), graduou mais uma empresa que tem como base a inovação e a tecnologia. Após um ano e oito meses, a Japan Solar atingiu seus objetivos e agora, está pronta para uma nova etapa no mercado.

A relação entre a Fundação e a Japan Solar começou em 2018. Voltada para ramo de energias renováveis, o empreendimento encontrou no município de Cascavel o apoio necessário para dar continuidade aos estudos e testes do projeto de uma turbina híbrida que une energia eólica e solar. “Todas as pesquisas e testes feitos no laboratório foram potencializados na Fundetec, onde erguemos a primeira torre e fizemos ensaios para ver a melhor performance e finalizá-la. Foi de grande valia e a gente agradece essa parceria”,comentou o empresário e pesquisador, Antonio Martis.

Atendendo ao principal requisitopara incubar na Fundetec – apresentar inovações em potencial – a Japan Solar se tornou a primeira empresa do mundo a usar grafeno para aumentar a eficiência das turbinas eólicasolar.A turbina experimental foi instalada na Fundação em 2019 e com a ajuda de engenheiros eletricistas, civis, mecânicos e arquitetos, o equipamento foi aprimorado e hoje, já está sendo industrializado para ser comercializado não só no Brasil, mas no mundo todo.

“A Fundetec tem desempenhado seu papel em amparar empresas não só em Cascavel, mas em toda a região oeste do Paraná. Oportunizamos não só o espaço, mas toda a assessoria para importação do Grafeno, além do apoio para articulação com o eco sistema municipal e regional e também, a capacitação dos gestores em sua plataforma de treinamento. Isso fez com que a empresa tivesse uma viabilidade para acessar o mercado e se fortalecer. A Fundetec também ganhou visibilidade e proporcionou espaço para um crescimento saudável da Japan Solar com o seu projeto de energia eólica e fotovoltaica mista”, acrescentou o presidente da Fundetec, Alcione Gomes.

 

Inovação a partir da utilização do grafeno

O projeto da empresa Japan Solar surgiu a partir da necessidade de se produzir energias renováveis. A iniciativa de unir em uma turbina energia solar e eólica, que possui como matéria-prima em seu controlador o grafeno,é considerada inédita no mundo.  “A invenção propriamente dita não está na turbina ou no alternador porque isso já existia e é bastante comum. O que nós implementamos foi o grafeno na unidade de controle”, explica o pesquisador Antonio Martis.

O grafeno foi descoberto em 2004 por dois físicos russos e desde então é considerado um dos materiais mais promissores para a evolução da tecnologia, pois possui características físicas, mecânicas, elétricas, ópticas e térmicas eficientes. De acordo com Martis, a aplicação do mineral na unidade de potência, fez com que a produtividade do equipamento que antes era de no máximo 85% subisse para 98%.

O grafeno é um mineral leve, fino, transparente e por ser carbono puro como o grafite ou o diamante, acaba se tornando impermeável e super-resistente (200 vezes mais forte que o aço). Uma das suas principais vantagens é ser um excelente condutor de eletricidade e de calor.

Centro Incubador Tecnológico

O CIT oferece suporte estrutural, técnico e gerencial a empreendedores que apresentam em sua proposta de produção, inovações em potencial. É oferecido apoio aos empreendimentos dentro da metodologia do CERNE (Centro de Referência e Apoio a Novos Empreendimentos), com a finalidade de otimizar o alcance de resultados positivos junto a sociedade empreendedora e, principalmente aos incubados, promovendo o desenvolvimento destes de maneira a fomentar seu processo de graduação e inserção definitiva no mercado. A gestão da incubadora canaliza todos os esforços e apoio incondicionais rumo ao crescimento com sustentabilidade e melhoria do desempenho dos empreendimentos.

Japan Solar: Engenharia de Energias Renováveis e Produtos Eletrônicos

A empresa JapanSolar surgiu no início de 1989 e atuou na região de Foz de Iguaçu na área de telecomunicações. Segundo o proprietário, Antonio Martis, ela foi responsável pela implantação do celular na região até o ano de 2003. No ano seguinte, a empresa migrou para o ramo de engenharia elétrica e iniciou pesquisas a procura de novas alternativas de geração de energias."Agora, com o surgimento da aplicação do grafeno, seguimos trilhando novas informações para sua utilização e assim, ir além da primeira aplicação que foi no gerador Titan MagLev instalado na torre da Fundetec”, explicou o empresário.

Utilizando tecnologia avançada, a Japan Solar une economia e sustentabilidade em produtos de alta eficiência, com qualidade e suporte técnico especializado. “Em constante atualização, nossa equipe está preparada para encontrar soluções personalizadas para uso de energia solar, eólica ou tecnologia de broadcast”, declarou a empresa.

 

Assessoria 



Relacionados

Londrina | 14-08-2020 22:01

Escolas municipais de Londrina vão ser monitoradas com central de alarmes

Escolas municipais de Londrina vão ser monitoradas com central de alarmes

Londrina | 14-08-2020 21:43

Idosa prende o pé em portão na zona oeste

Idosa prende o pé em portão na zona oeste

Londrina | 14-08-2020 18:43

Mulheraços Contra Violência: Primeira mulher a presidir AMB e mentora da Campanha Sinal Vermelho

Mulheraços Contra Violência: Primeira mulher a presidir AMB e mentora da Campanha Sinal Vermelho

Londrina | 14-08-2020 17:34

Profis 2020 atinge a marca de 23 milhões de reais negociados

Profis 2020 atinge a marca de 23 milhões de reais negociados