Após manifestações, ônibus rodam normalmente no final da tarde

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 14/06/2019 às 08:19

Após manifestações que impediram a circulação dos ônibus, o transporte coletivo voltou ao normal ainda na manhã desta sexta-feira (14).  A CMTU informou que os ônibus rodam regularmente no final desta tarde. 

Um grupo de manifestantes, ligados a sindicatos e ao MST, impediram a saída dos veículos. Nas ruas houve congestionamento em razão do aumento de veículos particulares circulando e muitas pessoas ficaram horas esperando nos pontos de ônibus.

Depois, os manifestantes liberaram os portões da Transportes Coletivos Grande Londrina (TCGL), permitindo a saída dos 277 ônibus da empresa com itinerários fixos. 


Apesar dos transtornos causados pelos manifestantes não houve confusão. A Polícia Militar esteve o tempo todo no local garantindo a ordem pública. Os portões da empresa devem ser liberados a qualquer momento e o serviço restabelecido.

Ônibus intermunicipais estão circulando normalmente, inclusive assumindo parte das linhas convencionais de Londrina. 

A manifestação faz parte de um movimento nacional que tem, entre outras bandeiras, posicionamento contrário a reforma da previdência. Na quinta-feira (14) decisão judicial garantiu a livre circulação dos ônibus. leia aqui

Colaboração e vídeo: Kathulin Tanan e Andelson Moro



Relacionados

Economia | 18-06-2019 18:10

Ibovespa sobe 1,82% e volta a se aproximar da marca dos 100 mil pontos

Ibovespa sobe 1,82% e volta a se aproximar da marca dos 100 mil pontos

Economia | 18-06-2019 17:55

Governo amplia setores autorizados a trabalhar aos domingos e feriados

Governo amplia setores autorizados a trabalhar aos domingos e feriados

Economia | 18-06-2019 13:25

Bolsonaro lança Plano Safra e elogia atuação de Tereza Cristina

Bolsonaro lança Plano Safra e elogia atuação de Tereza Cristina

Economia | 18-06-2019 11:45

Cresce número de desempregados há mais de 2 anos no País, diz Ipea

Cresce número de desempregados há mais de 2 anos no País, diz Ipea