Após pressão de caminhoneiros, Câmara aprova MP do Frete às vésperas do recesso

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 11/07/2018 às 16:15

Após uma pressão dos caminhoneiros, a MP do Frete (Medida Provisória 832/18) foi aprovada pelos parlamentares nesta quarta-feira, 11, quase véspera do recesso parlamentar. Ainda pela manhã, os caminhoneiros se reuniram com o relator do projeto, o deputado Osmar Terra (MDB-RS), e negociaram alguns pontos para que a matéria pudesse entrar na pauta do dia. Uma das questões, segundo o caminhoneiro autônomo Wallace Landim, conhecido como "Chorão", foi a anistia das multas durante a greve de maio.

O plenário aprovou o texto-base da medida, em um acordo entre os deputados. O plenário rejeitou o destaque do PSB à MP e manteve no projeto de lei de conversão a anistia às multas de trânsito aplicadas aos caminhoneiros e empresas de transporte que não retiraram seus caminhões das pistas entre os dias 21 de maio e 4 de junho de 2018, período da greve. Para quem contrata o serviço de frete, foi aprovada anistia de multas entre 30 de maio e 19 de julho.

Outro ponto importante que foi mantido no texto é que o legislado deve prevalecer sobre o que é acordado. Ou seja, será proibido celebrar qualquer acordo ou convenção, individual ou coletivamente, no sentido de praticar fretes em valores inferiores aos pisos mínimos.

A expectativa era de que o projeto tivesse ido à votação na sessão de terça-feira, 10, o que não aconteceu. Na terça, o relator ainda buscava um acordo com os representantes das empresas, principalmente os do agronegócio, para avançar com a proposta.

O parecer estabelece pisos mínimos para o serviço de frete. O texto não diz o valor dos pisos. Determina que eles serão calculados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), levando em conta o tipo da carga, a distância, o preço do diesel e os custos de pedágio.

O texto ainda precisa passar pelo plenário do Senado para ser convertido em lei. Se não for aprovado até 7 de outubro, a MP, editada em 30 de maio, perde validade e o tabelamento deixa de vigorar. Essa tabela impõe aumentos de custos de 30% a 50% no agronegócio e também ameaça inviabilizar as atividades industriais que envolvem produtos de baixo valor.



Relacionados

Economia | 21-02-2019 09:30

IPCA-15 sobe 0,34% em fevereiro ante 0,30% em janeiro, revela IBGE

IPCA-15 sobe 0,34% em fevereiro ante 0,30% em janeiro, revela IBGE

Economia | 21-02-2019 09:05

Venda de aço da CSN no 4º trimestre fica levemente abaixo da média do mercado

Venda de aço da CSN no 4º trimestre fica levemente abaixo da média do mercado

Economia | 21-02-2019 08:50

Petrobras mantém sem alteração preço médio da gasolina e diesel nas refinarias

Petrobras mantém sem alteração preço médio da gasolina e diesel nas refinarias

Economia | 21-02-2019 08:35

Consumidores esperam inflação de 4,9% em 12 meses a partir de fevereiro, diz FGV

Consumidores esperam inflação de 4,9% em 12 meses a partir de fevereiro, diz FGV