Bancos e supervisores devem estar vigilantes com situação do coronavírus, diz BIS

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 27/02/2020 às 18:15

O Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) afirma que os bancos e supervisores devem "seguir vigilantes", diante da situação com o surto de coronavírus. A informação consta de comunicado da instituição, no qual foi informado também que o Comitê da Basileia sobre Supervisão Bancária se reuniu nesta semana na própria cidade suíça para revisar vulnerabilidades e riscos emergentes, o avanço em iniciativas de supervisão e para promover a implementação das regras de Basileia III.

O Comitê discutiu as implicações para a estabilidade financeira da disseminação do coronavírus para o sistema bancário e também a troca de informações sobre medidas para a continuidade dos negócios que bancos e autoridades têm colocado em prática.

"O Comitê encoraja bancos e supervisores a seguirem vigilantes, diante da situação que tem mudado e nota a importância do compartilhamento de informação eficaz para além das fronteiras e a cooperação ao lidar com tais choques", afirma a nota.

O órgão também revisou o status da implementação das regras de Basileia III entre seus membros. Os membros, inclusive, reiteraram seu compromisso com a implementação dessas normas, diz o BIS, de modo completo, em tempo adequado e de maneira consistente.



Relacionados

Economia | 04-04-2020 21:19

Guedes cita possibilidade de adoção de 'passaporte de imunidade' para trabalhador

Guedes cita possibilidade de adoção de 'passaporte de imunidade' para trabalhador

Economia | 04-04-2020 21:19

Coronavírus está reafirmando necessidade de reformas econômicas, diz Guedes

Coronavírus está reafirmando necessidade de reformas econômicas, diz Guedes

Economia | 04-04-2020 21:19

GM propõe aplicação da MP 936 e redução de salários em São José, diz sindicato

GM propõe aplicação da MP 936 e redução de salários em São José, diz sindicato

Economia | 04-04-2020 20:39

Morre aos 83 anos Wilson Cano, economista da Unicamp

Morre aos 83 anos Wilson Cano, economista da Unicamp

PUBLICIDADE