Bolsa fecha em baixa de 1,03%, a 82.173,21 pontos; com ganho de 5,95% na semana

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 22/05/2020 às 18:17

Após duas semanas de perdas consecutivas, o Ibovespa conseguiu acumular ganho de 5,95% no intervalo de cinco sessões concluído nesta sexta-feira, 22, no melhor desempenho desde a semana até o dia 30 de abril, quando subiu 6,87%. Nesta sexta-feira, o principal índice da B3 se inclinou a uma moderada realização de lucros desde cedo, após ter avançado nas duas sessões anteriores e também na segunda-feira, dia no qual saltou 4,69%, o maior ganho desde 6 de abril. Hoje, fechou em baixa de 1,03%, a 82.173,21 pontos, tendo tocado 81.668,80 na mínima, saindo de máxima a 83.027,09. O giro financeiro totalizou R$ 21,3 bilhões na sessão e, no mês, o índice sobe agora 2,07%, com perda de 28,94% no ano.

Às 17h, quando o aguardado vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril foi divulgado no site do Supremo Tribunal Federal (STF), o Ibovespa estacou em baixa de 1%, movimentando-se bem pouco à medida que as primeiras informações chegavam a público, especialmente comprometedoras para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, um dos mais "ideológicos" integrantes do governo. Assim, o ajuste de fechamento foi mínimo, enquanto o teor da reunião chegava ao conhecimento do mercado.

Ontem, o índice havia navegado na contramão do exterior, mas hoje se alinhou ao dia em boa parte moderadamente negativo nos EUA como mais cedo na Europa e na Ásia, em meio à realização do congresso anual do PC da China, que pode aprovar regras mais estritas de controle sobre Hong Kong, território que conta com margem de autonomia desde a devolução pelo Reino Unido, em 1997. O temor é que o governo Trump venha a reagir em defesa das liberdades de Hong Kong, o que poderia acentuar a tensão política e comercial entre as duas maiores economias do planeta.

Por aqui, na véspera do fim de semana, a cautela foi reforçada pela expectativa quanto à divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, peça importante da investigação sobre a denúncia do ex-ministro Sergio Moro de que o presidente Jair Bolsonaro pretendeu interferir politicamente na Polícia Federal. Em desdobramento relevante, o ministro e decano do STF, Celso de Mello, encaminhou três notícias-crimes ao procurador-geral da República, Augusto Aras, com pedidos de apreensão dos celulares do presidente e de seu filho Carlos Bolsonaro.

Assim, a percepção de risco político, que no dia anterior havia melhorado com o sinal de entendimento de União e Estados sobre a necessidade de conter os salários do funcionalismo até o fim de 2021, hoje voltou a pesar sobre a confiança dos investidores. "Havia uma expectativa para este vídeo e, também, cautela com o feriado de segunda-feira nos EUA, o que sempre afeta a liquidez por aqui", aponta Pedro Galdi, analista da Mirae. "Houve uma realização de lucro natural, de véspera de fim de semana, ao final de um período que surpreendeu positivamente, com a reunião de ontem do presidente com os governadores, e também as palavras do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que contribuíram para enfraquecer o dólar", acrescenta.

Após os ganhos da semana, a realização de lucros desta sexta-feira foi relativamente bem distribuída por consumo, commodities, siderurgia e bancos, com o setor de utilities, defensivo, mostrando algum fôlego na sessão, com Eletrobras ON (+7,67%) na ponta do Ibovespa e desempenhos positivos também para Eletrobras PNB (+5,14%) - segunda maior alta do dia -, Cemig (+1,19%) e Cesp (+1,49%). Na ponta negativa do Ibovespa, Hering cedeu hoje 9,09%, Cogna, 8,51%, e Lojas Renner, 8,34%. Entre as blue chips, Petrobras PN caiu 2,71% e a ON, 2,16%, enquanto Vale ON fechou o dia em baixa de 1,68%. Entre os bancos, BB, que havia subido 7,06% no dia anterior, caiu hoje



Relacionados

Economia | 25-05-2020 12:35

Aneel abre tomada de subsídios sobre possível regulação em segurança cibernética

Aneel abre tomada de subsídios sobre possível regulação em segurança cibernética

Economia | 25-05-2020 12:30

Assinatura de renovação de Malha Paulista será no dia 27, diz ministro

Assinatura de renovação de Malha Paulista será no dia 27, diz ministro

Economia | 25-05-2020 12:15

Postura frente à pandemia piora imagem do País no exterior e afasta investidores

Postura frente à pandemia piora imagem do País no exterior e afasta investidores

Economia | 25-05-2020 12:04

Presidente do BC repete que Copom considera último ajuste da Selic em junho

Presidente do BC repete que Copom considera último ajuste da Selic em junho

PUBLICIDADE