Bolsas fecham em alta em NY, beneficiadas por estabilização do petróleo

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 01/06/2017 às 17:45

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta-feira, 1, com a ajuda da estabilização do petróleo, após dois dias de recuo da commodity. Além disso, os investidores monitoraram, mais para o fim do pregão, o discurso do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que decidiu retirar o país do Acordo de Paris sobre o clima.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,65%, a 21.144,18 pontos, o Nasdaq avançou 0,78%, a 6.246,83 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,76%, a 2.430,06 pontos. Os três índices tiveram patamar recorde de fechamento.

As ações do setor de energia vinham pressionando os índices até agora nesta semana. Nesta quinta-feira, porém, o petróleo fechou perto da estabilidade, em leve alta em Nova York, após o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) mostrar um forte recuo nos estoques dos EUA na última semana, embora a produção tenha subido. As ações do setor de energia que integram o S&P 500 tiveram ganho de 0,7%.

"As pessoas estão prestando atenção no petróleo", afirmou Mohit Bajaj, da corretora WallachBeth Capital. Ele acrescentou, ainda, que não espera pânico nos papéis de energia, a menos que o petróleo fique abaixo de US$ 45 o barril.

Hoje, números melhores que o esperado do relatório de geração de vagas no setor privado dos EUA, divulgado pela ADP, ajudaram a impulsionar o apetite por risco. Os mercados monitoraram ainda declarações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Diretor do BC dos EUA, Jerome Powell minimizou a recente fraqueza da inflação, argumentando que, caso a economia se desempenhe conforme esperado, é apropriado continuar a elevar os juros gradualmente. O presidente do Fed de San Francisco, John Williams, por sua vez, mostrou-se confiante com a economia americana e disse que pode haver "três ou quatro altas de juros" em todo este ano nos EUA.

"Estímulos monetários sem precedentes de bancos centrais têm realmente apoiado o mercado", disse Kirk Hartment, chefe global de investimentos do Wells Fargo Asset Management. "Contanto que isso continue, acredito que os investidores estarão muito otimistas."

Investidores também acompanharam, no fim do pregão, o discurso de Trump, que decidiu retirar os EUA do Acordo de Paris e disse que pretende renegociar os termos da presença americana na iniciativa. Durante o discurso, as ações se fortaleceram em Wall Street e o Dow Jones e o S&P 500 fecharam nas máximas. Fonte: Dow Jones Newswires



Relacionados

Economia | 21-02-2019 11:35

Intenção de consumo das famílias sobe 2,7% em fevereiro ante janeiro

Intenção de consumo das famílias sobe 2,7% em fevereiro ante janeiro

Economia | 21-02-2019 10:50

Encomendas de bens duráveis dos EUA sobem 1,2% em dezembro ante novembro

Encomendas de bens duráveis dos EUA sobem 1,2% em dezembro ante novembro

Economia | 21-02-2019 10:50

Demanda por crédito ao consumidor cresce 2,2% em janeiro, revela Boa Vista

Demanda por crédito ao consumidor cresce 2,2% em janeiro, revela Boa Vista

Economia | 21-02-2019 10:40

IPCA-15 é o mais baixo para fevereiro desde a implatação do Plano Real, diz IBGE

IPCA-15 é o mais baixo para fevereiro desde a implatação do Plano Real, diz IBGE