Bolsonaro diz que voucher aos trabalhadores informais pode chegar a R$ 600

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 26/03/2020 às 19:20

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quinta-feira, 26, que a ajuda aos trabalhadores informais pode chegar a até R$ 600 por voucher. De acordo com Bolsonaro, ele ainda discute o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que, segundo o presidente, se mudará para Brasília nos próximos dias. Horas antes, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), falou que o auxílio seria na ordem de R$ 500. "Está em R$ 500, talvez até passe para R$ 600. Pode ser R$ 600, mas não sei quantos bilhões a mais custam cada R$ 100", disse Bolsonaro.

Em conversa com jornalistas, no final desta quinta, Bolsonaro contou que também está em ajuste final uma proposta para auxiliar micro e pequenas empresas durante a crise decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Outra proposta que deve ser encaminhada em breve, de acordo com Bolsonaro, servirá para aperfeiçoar trecho suspenso da Medida Provisória 927/2020 que permitia às empresas suspender por até quatro meses o contrato de trabalho de seus funcionários. De acordo com Bolsonaro, houve falha na redação e faltou garantir contrapartida aos trabalhadores.

Durante a entrevista, ele falou diversas vezes sobre a preocupação com o aumento do desemprego durante a crise. Segundo ele, empresários de alguns setores, entre eles o hoteleiro, prometeram novas demissões na próxima segunda-feira. "A segunda onda já chegou, haverá desemprego em massa", declarou.



Relacionados

Economia | 30-03-2020 13:49

Os bastidores de um 'circuit breaker'

Os bastidores de um 'circuit breaker'

Economia | 30-03-2020 13:49

GM propõe lay-off com redução de até 25% nos salários em São José dos Campos

GM propõe lay-off com redução de até 25% nos salários em São José dos Campos

Economia | 30-03-2020 13:35

Para diretor da CNTTL, não é o momento para greve de caminhoneiros

Para diretor da CNTTL, não é o momento para greve de caminhoneiros

Economia | 30-03-2020 13:06

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita