CCJ aprova prazo de 10 anos para fim da venda de carros a gasolina e diesel

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 12/02/2020 às 18:25

Foto: Agência Brasil/reprodução

A partir de 1º de janeiro de 2030 estará proibida a venda de veículos novos movidos a combustíveis fósseis no Brasil, e em 2040 nenhum automóvel a gasolina ou diesel poderá circular no País, segundo o Projeto de Lei do senador Ciro Nogueira (PP-PI), aprovado nesta quarta-feira, 12, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O PLS segue agora para votação na Comissão de Meio Ambiente (CMA) da casa.

De acordo com o PLS 304/2017, já existem soluções tecnológicas disponíveis que permitem a substituição da gasolina e do diesel, responsáveis por um sexto das emissões de dióxido de carbono na atmosfera, que leva ao aquecimento global.

Além dos biocombustíveis, já tradicionais no mercado brasileiro, os carros elétricos avançam no mundo todo e aos poucos chegam ao Brasil.

O projeto destaca porém que algumas exceções serão abertas, como automóveis de coleção, veículos oficiais e diplomáticos ou carros de visitantes estrangeiros, que poderão continuar circulando no país, ainda que usem combustíveis fósseis.

O senador afirma em seu texto que o Brasil segue um caminho que já vem sendo traçado por outros países. "O Reino Unido e a França querem proibir a venda de veículos movidos a combustíveis fósseis a partir de 2040, a Índia, a partir de 2030, e a Noruega, já em 2025", informou.



Relacionados

Economia | 30-05-2020 09:01

Governo tem 48h para se manifestar sobre problemas no auxílio emergencial

Governo tem 48h para se manifestar sobre problemas no auxílio emergencial

Economia | 30-05-2020 08:16

Empresas se reúnem para buscar soluções para o pós-pandemia

Empresas se reúnem para buscar soluções para o pós-pandemia

Economia | 30-05-2020 08:10

O brasileiro e o momento econômico atual

O brasileiro e o momento econômico atual

Economia | 30-05-2020 08:02

'Só na 2ª metade da década teremos ritmo pré-covid', afirma Mario Mesquita

'Só na 2ª metade da década teremos ritmo pré-covid', afirma Mario Mesquita