Com dados fracos do mercado de trabalho nos EUA, Bovespa abre em alta

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 02/06/2017 às 11:20

A Bovespa abriu em alta nesta sexta-feira, 2, impulsionada por quase todas as blue chips. A exceção foi a Petrobras, que abriu em queda moderada em dia de desvalorização dos contratos futuros de petróleo em Nova York e em Londres. Pouco depois, a petroleira passou a subir.

Com esse movimento, o Ibovespa marcou a máxima aos 62.773 pontos (+0,78%). Depois de as bolsas em NY terem iniciado os negócios com sinal negativo (Dow Jones -0,05%), a alta do indicador brasileiro cedeu um pouco. Às 10h33, subia 0,49% aos 62.595 pontos.

O principal fator para a valorização das ações domésticas é a surpresa do relatório de emprego nos EUA, o "payroll", que veio mais fraco do que o esperado. Como afirmou a economista da CM Capital Markets, Camila Abdelmalack, ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) os dados mais fracos sugerem que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) pode manter uma postu ra gradualista no aumento da taxa de juros nos EUA. "Após os dados, o real ampliou os ganhos em relação ao dólar", afirmou a economista.

O ritmo de contratação nos Estados Unidos desacelerou em maio ante abril considerando-se ajustes sazonais, segundo dados do Departamento de Trabalho do país. A economia gerou 138 mil postos de trabalho na passagem do mês, resultado abaixo da expectativa de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam criação de 184 mil empregos. Os números dos dois meses anteriores sofreram revisões para baixo. O de abril foi revisado 211 mil para 174 mil, enquanto o de fevereiro passou de 79 mil para 50, gerando uma perda líquida de 66 mil vagas.

Depois desse dado, a influência positiva da pesquisa de produção industrial em abril acabou ficando em segundo lugar. As variações mensal e anual vieram melhores que a mediana das projeções.

Relatório da corretora Ativa destaca que o petróleo continua devolvendo ganhos, com o Brent já cotado na casa dos 49 dólares o barril. Segundo os analistas da LCA Consultores, os preços recuam por conta de excesso de oferta, principalmente de petróleo. Na segunda metade da manhã (horário de Brasília), o Brent para agosto recuava a US$ 49,80 (-1,68%).



Relacionados

Economia | 22-05-2018 21:50

Política de preços de combustíveis permanece inalterada, diz Petrobras

Política de preços de combustíveis permanece inalterada, diz Petrobras

Economia | 22-05-2018 21:45

Plataforma para acordo de poupadores sobre planos tem 3.250 cadastros no 1º dia

Plataforma para acordo de poupadores sobre planos tem 3.250 cadastros no 1º dia

Economia | 22-05-2018 19:40

Paranaguá: com bloqueios, volume de cargas que entram no porto volta a cair

Paranaguá: com bloqueios, volume de cargas que entram no porto volta a cair

Economia | 22-05-2018 19:35

Jungmann: existem efeitos da greve dos caminhoneiros, mas são pontuais

Jungmann: existem efeitos da greve dos caminhoneiros, mas são pontuais

PUBLICIDADE