Corte da taxa Selic poderia ser maior não fosse turbulência política, avalia CNI

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 31/05/2017 às 18:55

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou nesta quarta-feira, 31, por meio de nota, que a "recente turbulência política impediu que o Banco Central acentuasse o ritmo de queda dos juros". Ao comentar a redução de um ponto porcentual da taxa Selic, anunciada há pouco pelo Comitê de Política Monetária (Copom), a CNI afirma que o corte poderia ter sido maior, "caso o ambiente de incertezas não tivesse dificultado os horizontes da economia".

"O comportamento da inflação, abaixo da meta para 2017, e suas perspectivas favoráveis permitiriam um corte mais agressivo dos juros, o que iria contribuir para a continuidade da gradual normalização da atividade econômica", diz a nota da entidade.

Na avaliação da CNI, a intensidade do ritmo de queda dos juros nas próximas reuniões depende da solução das incertezas políticas que viabilize a continuidade das reformas em discussão no Congresso. A entidade volta a defender que as reformas são "cruciais tanto para a garantia do equilíbrio fiscal de longo prazo como para a modernização das relações econômicas e a elevação da competitividade dos produtos brasileiros". "São, portanto, fundamentais para a consolidação do crescimento econômico."



Relacionados

Economia | 18-02-2019 10:35

Estimativa de câmbio para fim de 2019 permanece em R$ 3,70, mostra Focus do BC

Estimativa de câmbio para fim de 2019 permanece em R$ 3,70, mostra Focus do BC

Economia | 18-02-2019 10:30

Gasolina recua em 24 Estados, diz ANP; valor médio cai 0,57% no País

Gasolina recua em 24 Estados, diz ANP; valor médio cai 0,57% no País

Economia | 18-02-2019 10:25

Expectativa de alta do PIB de 2019 passa de 2,50% para 2,48%, mostra Focus do BC

Expectativa de alta do PIB de 2019 passa de 2,50% para 2,48%, mostra Focus do BC

Economia | 18-02-2019 10:10

Com feriado nos EUA, dólar sobe com crise política e Previdência no foco

Com feriado nos EUA, dólar sobe com crise política e Previdência no foco