Dívida externa bruta estimada é de US$ 323,906 bi no fim de janeiro, diz BC

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 21/02/2020 às 12:30

A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em janeiro é de US$ 323,906 bilhões. Segundo a instituição, o ano de 2019 terminou com uma dívida de US$ 323,593 bilhões.

A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 244,253 bilhões em janeiro, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 79,654 bilhões no fim do mês passado.

Fluxo cambial

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, informou que o fluxo cambial total no País está negativo em US$ 1,041 bilhão em fevereiro deste ano até o dia 19. A cifra é resultado de um fluxo comercial positivo de US$ 4,318 bilhões e de um fluxo financeiro negativo de US$ 5,359 bilhões no período.

Na conta comercial, ocorreram em fevereiro até o dia 19 importações de US$ 7,464 bilhões e exportações de US$ 11,782 bilhões. Dentro das exportações foram US$ 1,334 bilhão de Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 6,150 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 4,298 bilhões em demais operações. Dentro da conta financeira, ocorreram no período entradas de US$ 27,432 bilhões e saídas de US$ 32,792 bilhões.

Com o movimento verificado em fevereiro até o dia 19, a posição dos bancos no mercado à vista passou de vendida em US$ 34,261 bilhões no fim de janeiro para vendida em US$ 35,383 bilhões agora.



Relacionados

Economia | 15-07-2020 15:53

BB e Caixa oferecerão crédito com garantia do saque-aniversário

BB e Caixa oferecerão crédito com garantia do saque-aniversário

Cascavel | 15-07-2020 13:36

Veja como foi a primeira manhã de comércio aberto em Cascavel

Veja como foi a primeira manhã de comércio aberto em Cascavel

Cascavel | 14-07-2020 15:47

Mesmo com a pandemia, 21% das empresas aumentaram contratações em Cascavel

Mesmo com a pandemia, 21% das empresas aumentaram contratações em Cascavel

Economia | 14-07-2020 10:07

Novo decreto aumenta redução e suspensão de contratos para quatro meses

Novo decreto aumenta redução e suspensão de contratos para quatro meses