Faturamento real da indústria cai 3,1% em abril ante março, diz CNI

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 01/06/2017 às 11:45

No mesmo dia em que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a atividade econômica voltou a crescer no primeiro trimestre, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) trouxe dados mais pessimistas em relação a abril.

Segundo o estudo Indicadores Industriais, divulgado nesta quinta-feira, 1º de junho, o faturamento real da indústria caiu 3,1% no mês passado ante o mês anterior. As horas trabalhadas também recuaram 1,3%, enquanto o emprego no setor caiu 0,6%.

Houve recuo também no uso da capacidade instalada, que passou de 76,5% em abril ante 77,1% em março. A massa salarial recuou 0,4% no mês passado, mas o rendimento médio registrou alta de 0,5%.

Os indicadores do primeiro quadrimestre também registraram queda na comparação com o mesmo período de 2016. O faturamento ficou 7,8% menor nos primeiros quatro meses, enquanto as horas trabalhadas caíram 4%.

A utilização média da capacidade instalada foi 0,9 ponto porcentual menor nos primeiros quatro meses deste ano do que em igual período de 2016.

Já o emprego teve queda de 4,3% na mesma comparação, enquanto a massa salarial real acumula queda de 4,8%. O rendimento médio está 0,5% abaixo do registrado entre janeiro e abril de 2016.



Relacionados

Economia | 19-07-2018 12:30

Demanda por bens industriais recua 8,3% em maio ante abril, diz Ipea

Demanda por bens industriais recua 8,3% em maio ante abril, diz Ipea

Economia | 19-07-2018 11:30

BC: 96,1% da população ainda usa dinheiro em pagamentos, além de outros meios

BC: 96,1% da população ainda usa dinheiro em pagamentos, além de outros meios

Economia | 19-07-2018 10:40

Receita cancela adesão de 'viciados em Refis' que deixaram de pagar R$ 1 bi

Receita cancela adesão de 'viciados em Refis' que deixaram de pagar R$ 1 bi

Economia | 19-07-2018 10:25

Juros futuros sobem com dólar, em meio a expectativas com leilão e alianças

Juros futuros sobem com dólar, em meio a expectativas com leilão e alianças