Governo quer se concentrar no pacto federativo após aprovar reforma, diz Guedes

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 09/10/2019 às 16:25

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 9, que o governo federal pretende se concentrar na discussão do pacto federativo, do qual a reforma administrativa faria parte, após a aprovação da reforma da Previdência no Senado.

"Estamos na expectativa de o Senado aprovar a reforma da Previdência, parece que está andando tudo direitinho e, assim que fechar isso, entramos na próxima fase, que é o pacto federativo. A reforma administrativa é um capítulo desse plano maior que é o pacto federativo", disse o ministro a jornalistas, depois de ter participado de visita institucional ao jornal Folha de S.Paulo.

O ministro foi questionado sobre se a agenda econômica poderia ser atrapalhada pela recente crise do presidente Jair Bolsonaro com o seu partido, o PSL, mas evitou responder. "Eu não entendo nada de política, troca de partido, essas coisas, não entendo nada", limitou-se a dizer.

Em relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de setembro, que foi divulgado nesta quarta-feira e mostrou deflação, Guedes disse que viu o resultado de forma positiva. "Inflação baixa mostra que o Brasil tem condições de baixar juros", disse. "O que está acontecendo é que a economia está começando a crescer com inflação baixa", acrescentou.



Relacionados

Economia | 12-02-2020 18:25

CCJ aprova prazo de 10 anos para fim da venda de carros a gasolina e diesel

CCJ aprova prazo de 10 anos para fim da venda de carros a gasolina e diesel

Economia | 12-02-2020 18:20

Caixa corrige informação sobre taxa mínima do crédito imobiliário para PJ

Caixa corrige informação sobre taxa mínima do crédito imobiliário para PJ

Economia | 12-02-2020 12:11

Governo quer usar servidor aposentado não apenas no INSS

Governo quer usar servidor aposentado não apenas no INSS

Economia | 12-02-2020 10:07

Dólar tem recorde do Plano Real a R$ 4,34 após varejo fraco e sinais de juros

Dólar tem recorde do Plano Real a R$ 4,34 após varejo fraco e sinais de juros

PUBLICIDADE