Guedes prevê que se não houver teto de gastos 'juro vai para 10%, 15%'

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 14/05/2019 às 19:10

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que se não houver teto de gasto os juros subiriam para o patamar de 10%, 15%. "Isso é um dilema terrível que nós temos. Temos de funcionar o corte de gasto não em cima dos mais pobres, mas onde estão as folgas, as isenções. Nós vamos chegar lá", afirmou ele, durante audiência da Comissão Mista de Orçamento (CMO), nesta terça-feira, 14.

Ao criticar os bilhões de reais dados em isenções a setores e empresas em outros governos, o ministro disse também que discorda da produção de bilionários no País. "Nunca deveríamos usar recursos públicos para produzir campeões nacionais, bilionários, favorecimentos. É uma deformação, uma disfunção, bota recurso naquele banco e sai dando dinheiro para bilionário para ver se ele fica mais rico ainda", destacou ele.

Guedes ressaltou ainda que as isenções serão atacadas no "devido tempo". Sobre o salário mínimo, o ministro disse que seria uma insanidade falar que a população que vive com essa renda é favorecida. "Por definição, é o menos favorecido. Estamos observando o que está acontecendo", esclareceu ele, lembrando que neste momento o déficit está crescendo e inviabiliza ações nesse sentido. Disse ainda que há um problema "galopante que engole tudo", que é a Previdência.



Relacionados

Economia | 17-05-2019 18:50

Ibovespa fecha perto da estabilidade, mas perde 4,5% na semana

Ibovespa fecha perto da estabilidade, mas perde 4,5% na semana

Economia | 17-05-2019 18:35

Dólar atinge R$ 4,10 em meio ao aumento das tensões políticas

Dólar atinge R$ 4,10 em meio ao aumento das tensões políticas

Economia | 17-05-2019 17:05

Sem capitalização, essa reforma é para cinco ou seis anos, diz Guedes

Sem capitalização, essa reforma é para cinco ou seis anos, diz Guedes

Economia | 17-05-2019 16:35

Guedes: 'Em 30, 60 dias vamos anunciar o choque da energia barata'

Guedes: 'Em 30, 60 dias vamos anunciar o choque da energia barata'

PUBLICIDADE