Incertezas sobre reformas e ajustes na economia compõem 'fator de risco' para BC

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 31/05/2017 às 19:55

O aumento da incerteza sobre o andamento das reformas e ajustes na economia compõem o "fator de risco principal" para o Banco Central. A avaliação consta do comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgado após a redução do juro para 10,25% ao ano. A palavra "incerteza" aparece cinco vezes no documento divulgado nesta quarta-feira, 31, e o termo "incertas" foi usado uma vez. Em abril, o termo só apareceu duas vezes no documento e ambas para usadas para o cenário externo.

O aumento da incerteza citado pelo BC ocorre "tanto pela maior probabilidade de cenários que dificultem esse processo (de reformas e ajuste), quanto pela dificuldade de avaliação dos efeitos desses cenários sobre os determinantes da inflação".

Diante da incerteza sobre reformas e o ajuste, todas as principais variáveis da economia passam a ficar nebulosas para o BC. Ao comentar a trajetória da inflação, o Copom diz que a trajetória permanece favorável, mas "é necessário acompanhar possíveis impactos do aumento de incerteza sobre a trajetória prospectiva da inflação". "Ressalta-se que, neste momento, as projeções condicionais do Copom envolvem maior grau de incerteza", explica o documento.

Sobre a atividade, ocorre o mesmo fenômeno. Os diretores do BC dizem que há estabilização, mas ressalta que a "manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica".

Sem clareza sobre as principais variáveis que devem ser seguidas pelo BC, o Comitê diz que o quadro "dificulta a queda mais célere das estimativas da taxa de juros estrutural e as torna mais incertas".



Relacionados

Londrina | 22-09-2018 11:57

Londrina volta a ter saldo positivo na geração de emprego

Londrina volta a ter saldo positivo na geração de emprego

Economia | 22-09-2018 08:15

Royalties da mineração serão recorde este ano

Royalties da mineração serão recorde este ano

Economia | 22-09-2018 07:55

Embraer e Boeing têm data para concluir acordo

Embraer e Boeing têm data para concluir acordo

Economia | 21-09-2018 18:20

Dólar cai para R$ 4,0504 e tem maior queda semanal desde julho de 2017

Dólar cai para R$ 4,0504 e tem maior queda semanal desde julho de 2017

PUBLICIDADE