Indústria tem primeira alta no ano, mas perfil do setor é errático, diz IBGE

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 02/06/2017 às 11:03

A produção industrial registrou, em abril, a primeira alta do ano, de 0,6%, considerando a comparação com o mês imediatamente anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O setor não crescia desde dezembro, quando a taxa foi de 2%.

Ainda assim, a interpretação do cenário da indústria em abril é de incerteza. André Macedo, gerente de Indústria do IBGE, classificou como "errático" o comportamento da indústria em abril.

"Há estabilidade em um determinado patamar, mas o setor industrial ainda permanece muito longe dos seus patamares históricos. O setor opera 19,8% do pico, alcançado em junho de 2013. Há um distanciamento importante", destaca ele.

Segundo Macedo, "é como se a produção operasse em patamar de janeiro de 2009, o que está relacionado ao nível de capacidade instalada, retração da demanda, mercado de trabalho desfavorável. Não há uma trajetória definida para a indústria. Há um campo importante para recuperar".

As principais influências positivas na série com ajuste sazonal apresentaram resultados negativos no mês anterior. É o caso dos segmentos farmacêutico, que avançou 19,8%, após cair 23,4% em março; veículos automotores, reboques e carrocerias, que subiu 3,4% em abril, após queda de 6,9% em março; e produtos derivados de petróleo, que avançou 2%, após cair 3,4%.

A principal influência negativa partiu do segmento extrativo mineral, que recuou 1,4% na passagem de março para abril e acumula queda de 2,9% nos últimos três meses. Em abril, é possível que paradas programadas de plataformas de petróleo tenham contribuído para a queda, de acordo com Macedo.

Além do mercado de trabalho desfavorável, o economista destaca ainda a instabilidade política e econômica, que afetam diretamente o investimento, como fatores conjunturais que frearam a indústria em abril.

Comparação interanual

A indústria alimentícia foi a que apresentou pior resultado em abril e a que mais contribuiu para a queda de 4,5% da produção industrial, comparado a igual mês do ano anterior, segundo o IBGE.

Macedo apresentou uma série de fatores que influenciaram essa taxa. O principal foi o atraso na moagem da cana de açúcar, seguido de embargos à exportação de carnes, por conta da Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, que levou a paralisações de dez a 15 dias no mês.

Com isso, a indústria alimentícia recuou 16,4% em abril, comparado a igual período do ano anterior. Ao todo, 82,9% do segmento de alimentos apresentaram taxas negativas em abril.

Além disso, a ocorrência de um número menor de dias úteis pesou no resultado anual da indústria no mês.



Relacionados

Economia | 19-07-2018 09:00

Balança comercial teve superávit de US$ 5,8 bilhões em junho, diz Icomex da FGV

Balança comercial teve superávit de US$ 5,8 bilhões em junho, diz Icomex da FGV

Economia | 19-07-2018 08:11

Inaugura hoje a maior loja de veículos seminovos de Londrina

Inaugura hoje a maior loja de veículos seminovos de Londrina

Economia | 19-07-2018 07:40

Encontro entre Mercosul e UE fica sem acordo

Encontro entre Mercosul e UE fica sem acordo

Economia | 19-07-2018 07:12

Após multa de R$ 19,4 bi, Google pode passar a cobrar pelo sistema Android

Após multa de R$ 19,4 bi, Google pode passar a cobrar pelo sistema Android