Maggi diz que juros reais do Plano Safra devem ficar entre 3,5% e 4%

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 31/05/2017 às 16:30

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que as taxas de juros reais do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018, já descontada a inflação, devem variar de 3,5% a 4%. "Ainda são juros altos para a agricultura", reconheceu o ministro em painel durante o Fórum de Investimentos Brasil 2017, realizado em São Paulo. O Plano Safra para a temporada que começa em 1º de julho será anunciado no próximo dia 7 e deve contar com taxas de juros entre 7,5% e 11,75%, um ponto porcentual abaixo do ciclo anterior.

Maggi também voltou a afirmar que não vê "problema em abrir terras para estrangeiros", ou seja, em liberar a venda. "Mas faço uma observação: devemos ter limites de volumes para isso. Não vejo dificuldades para culturas perenes. Já para as culturas de grãos, o governo quer impor limites, pois a decisão de plantar ou não é feita em poucos meses", explicou.

Ainda segundo o ministro, a agricultura brasileira se beneficiaria da "abertura para outros financiadores" caso ocorra a liberação de venda de terras para estrangeiros. "No momento em que conseguirmos resolver o problema do seguro rural, reduziremos o risco. Traz investidores de fora. Nesse aspecto, a abertura de terras vai ajudar na questão de crédito", concluiu.



Relacionados

Economia | 22-05-2018 21:50

Política de preços de combustíveis permanece inalterada, diz Petrobras

Política de preços de combustíveis permanece inalterada, diz Petrobras

Economia | 22-05-2018 21:45

Plataforma para acordo de poupadores sobre planos tem 3.250 cadastros no 1º dia

Plataforma para acordo de poupadores sobre planos tem 3.250 cadastros no 1º dia

Economia | 22-05-2018 19:40

Paranaguá: com bloqueios, volume de cargas que entram no porto volta a cair

Paranaguá: com bloqueios, volume de cargas que entram no porto volta a cair

Economia | 22-05-2018 19:35

Jungmann: existem efeitos da greve dos caminhoneiros, mas são pontuais

Jungmann: existem efeitos da greve dos caminhoneiros, mas são pontuais

PUBLICIDADE