Mais mineradora do que siderúrgica, CSN vê ações terem alta de 75% no ano

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 16/03/2019 às 08:50

Mais mineradora do que siderúrgica nos últimos meses, a CSN tem se distanciado dos seus principais concorrentes, Gerdau e Usiminas, com a alta do preço do minério de ferro na esteira do desastre com a barragem da Vale, em Brumadinho (MG). As ações da empresa acumularam ganhos de 75% no ano, maior alta entre as ações listadas no Ibovespa. Assim, o valor da CSN passou de R$ 12,2 bilhões, no fim do ano passado, para mais de R$ 21 bilhões nesta semana.

O motivo por trás da alta foi o posicionamento estratégico da empresa. Enquanto em 2017, 30% de sua geração de caixa vinham da mineração, no último trimestre do ano passado essa área já respondia por 50% do lucro antes de impostos, depreciação e amortização.

Segundo analistas, o cenário para o minério tem peso fundamental para reduzir o endividamento da empresa - seu calcanhar de Aquiles. Medida pela relação entre a dívida líquida sobre a geração de caixa, no fim de 2018, a alavancagem da empresa era de 4,55 vezes. Na Gerdau e na Usiminas essa relação é de menos de duas vezes.

Além dos fornos

O ânimo do mercado com a CSN se explica pela perspectiva de redução do endividamento. "De fato, (a CSN) é a segunda maior mineradora do Brasil", diz Daniel Sasson, analista de siderurgia do Itaú BBA, ressaltando que ela não tem espaço para aumentar a produção de minério.

Porém, com a redução de produção da Vale, o cenário é favorável. "A expectativa é de preço mais alto o ano todo", afirma Sabrina Cassiano, da Coinvalores. "Também faz com que a perspectiva de resultado, principalmente no primeiro trimestre, seja mais forte." Para ela, é importante ainda a perspectiva de alta para o consumo de aço no Brasil, por conta dos sinais de retomada da economia.

Há, ainda, outros motivos para o ânimo dos investidores. "Os resultados do quarto trimestre foram bons, melhores do que os concorrentes, mas, mais importante, foi a empresa ter anunciado uma pré-venda de minério", afirma Sasson, sobre o contrato assinado com a Glencore, que prevê venda de US$ 500 milhões.

Com o recurso, que deve entrar no caixa da empresa até o fim do segundo trimestre, a alavancagem vai cair para 4,1 vezes. "Ainda é alto, mas ela tem outros ativos que podem ser vendidos", afirmou.

A CSN conseguiu ainda reestruturar sua dívida, reduzindo vencimentos de 2019 e alongando prazos. "Antes da mudança, quase 30% da dívida bruta vencia em 2019", diz Sabrina. "Agora, é menos de 17%."

Análises

De acordo com Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, a CSN tem aprofundado mais os negócios com mineração. Recentemente, a siderúrgica contratou o banco Citi como assessor financeiro para avaliar opções estratégicas para a venda antecipada de minério de ferro. A empresa, no entanto, afirmou que é "prematura qualquer elaboração de cenários sobre o resultado deste processo".

Apesar da sinalização favorável, porém, Sasson diz que o maior peso da mineração também pode representar ônus. Dois dias atrás, por exemplo, o Ministério Público de Minas Gerais determinou que a empresa elabore um plano para a remoção voluntária dos moradores de bairros vizinhos à barragem da Mina de Casa de Pedra.

"Esse momento de apreensão com as operações de mineração tem riscos adicionais", afirma. Ele destaca, entretanto, que a CSN não usa barragens com à montante das que se romperam em Brumadinho e Mariana. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Relacionados

Economia | 19-03-2019 18:15

Dólar tem 3ª queda seguida, mas ritmo de baixa se reduz com cautela antes do Fed

Dólar tem 3ª queda seguida, mas ritmo de baixa se reduz com cautela antes do Fed

Economia | 19-03-2019 17:20

Francischini acredita já ter maioria para aprovar Previdência na CCJ

Francischini acredita já ter maioria para aprovar Previdência na CCJ

Economia | 19-03-2019 17:10

Maia e Alcolumbre vão dar agilidade ao trâmite da reforma, diz Flávio Bolsonaro

Maia e Alcolumbre vão dar agilidade ao trâmite da reforma, diz Flávio Bolsonaro

Economia | 19-03-2019 17:10

Mourão diz que errou ao estimar economia de R$ 13 bi com reforma dos militares

Mourão diz que errou ao estimar economia de R$ 13 bi com reforma dos militares