Medidas de liquidez tomadas vão elevar a dívida bruta, diz presidente do BC

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 08/04/2020 às 14:00

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira, 8, que as medidas de liquidez adotadas recentemente pelo governo, para combater os efeitos da covid-19 sobre a economia, vão elevar a dívida bruta do Brasil. Os dados mais recentes do BC mostram que a dívida bruta está em 76,5% do Produto Interno Bruto (PIB).

Com a expansão do déficit fiscal do setor público no período de crise, no entanto, a perspectiva é de que este porcentual cresça nos próximos meses.

"As medidas de liquidez tomadas hoje, com o instrumento que temos (para enxugamento de recursos), vão elevar a dívida bruta", comentou Campos Neto, durante evento virtual do Credit Suisse.

Questionado sobre o risco de os gastos emergenciais de hoje continuarem a ser extrapolados nos próximos anos, já após a crise, Campos Neto ponderou que, atualmente, ele é baixo. "A probabilidade de isso ocorrer é baixa. Passada a crise, temos condições de voltar à trajetória inicial", afirmou.

O presidente do BC também afirmou que é normal, em termos de precificação de ativos, considerar a possibilidade de que os gastos continuem altos. "Mas nosso trabalho é elaborar medidas para colocar o trem de novo no trilho quando a crise passar", afirmou.

Campos Neto participou no período da manhã do evento virtual "Conversa com Campos Neto", promovido pelo Credit Suisse.



Relacionados

Economia | 03-06-2020 07:21

‘Com reformas, PIB pode surpreender’

‘Com reformas, PIB pode surpreender’

Economia | 03-06-2020 07:10

Para IIF, alta do déficit é 'desafio' para emergentes

Para IIF, alta do déficit é 'desafio' para emergentes

Economia | 03-06-2020 07:10

Na falta de reformas, economista prevê estouro já em 2021

Na falta de reformas, economista prevê estouro já em 2021

Economia | 03-06-2020 07:10

Pátria inicia operação de rodovia em meio à crise

Pátria inicia operação de rodovia em meio à crise