Mercado mantém cautela e dólar fecha perto da estabilidade, a R$ 3,2747

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 07/06/2017 às 18:25

O dólar alternou pequenas altas e baixas ao longo de toda a sessão de negócios desta quarta-feira, 7. Apesar de uma aposta cautelosa na absolvição da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a percepção foi de que o processo de julgamento será longo, com possibilidade de recurso que leve o tema para o Supremo Tribunal Federal (STF). Nesse compasso de espera, o volume de negócios se manteve reduzido.

O dólar à vista terminou o dia em baixa de 0,06%, cotado a R$ 3,2747, depois de ter oscilado entre a mínima de R$ 3,2652 (-0,35%) e a máxima de R$ 3,2864 (+0,30%). Os negócios na clearing de câmbio da B3 somaram US$ 661,1 milhões.

"Por mais que as coisas estejam sob controle, é natural que o mercado mantenha a cautela até o desfecho da chapa Dilma-Temer. Tudo indica que haverá absolvição nesse caso, mas seja qual for o resultado, sabemos que ele não termina nesta semana. O julgamento provavelmente terminará no STF", disse Ricardo Gomes da Silva, diretor da Correparti.

O profissional afirma que essa previsão de um julgamento mais demorado também prolonga um sentimento de desconforto no mercado. Esse desconforto não se traduziu em alta justamente porque prevalece a aposta em uma absolvição e, em última análise, no bom andamento das reformas estruturais.

Mais cedo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou acreditar que a reforma da Previdência possa ser votada ainda este mês. E o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse ser possível acelerar a tramitação da reforma trabalhista e pular a apreciação do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Dessa forma, o texto pode seguir da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), na qual tramita atualmente, diretamente para o plenário.

O cenário externo também exerceu influência sobre o câmbio, especialmente nos momentos de alta. A principal foi a forte desvalorização dos preços do petróleo, em meio a preocupações em torno do aumento na produção dos Estados Unidos. Relatório semanal do Departamento de Energia (DoE) norte-americano indicou uma alta de 3,295 milhões de barris nos estoques do país, contrariando a previsão de queda de 3,5 milhões.



Relacionados

Economia | 17-06-2018 10:05

Trump ameaça a ordem comercial global

Trump ameaça a ordem comercial global

Economia | 16-06-2018 18:00

Proposta da Rússia à Opep sobre petróleo contempla somente 3º trimestre

Proposta da Rússia à Opep sobre petróleo contempla somente 3º trimestre

Economia | 16-06-2018 12:40

Lucro líquido da Copersucar cai 42,5% em 2017/18, para R$ 147,66 milhões

Lucro líquido da Copersucar cai 42,5% em 2017/18, para R$ 147,66 milhões

Economia | 16-06-2018 11:15

Conselho da IMC aprova acordo de fusão com Sapore

Conselho da IMC aprova acordo de fusão com Sapore

PUBLICIDADE