Movimento Céus Abertos afirma que aprovação de acordo vai gerar empregos

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 19/12/2017 às 22:15

O Movimento Brasileiro pelos Céus Abertos se manifestou sobre a aprovação do Acordo de Céus Abertos entre o Brasil e os Estados Unidos no plenário da Câmara dos Deputados. "A decisão dos parlamentares trará grandes benefícios, não apenas a quem viaja entre Brasil e EUA, mas para toda a indústria do turismo e para os consumidores brasileiros. O Céus Abertos impulsionará a geração de empregos e será um importante estímulo à nossa economia nos próximos anos, principalmente nesse momento de retomada", diz a organização, em comunicado.

O projeto aprovado nesta terça-feira, 19, ratifica acordo sobre transportes aéreos assinado em 2011 entre Brasil e Estados Unidos. Aprovada em votação simbólica, a proposta foi enviada ao Senado. Alguns dos artigos do acordo, conhecido como "céus abertos", já estão em vigor, em razão de um memorando de entendimento entre os dois países. Entre eles, os que estabelecem regime de preços livres e criação de novos itinerários e oferta de code-share.

Acordo de code-share é um acordo de cooperação pelo qual duas companhias compartilham o mesmo voo, os mesmos padrões de serviço e mesmos canais de venda. Por meio dele, uma companhia pode transportar passageiros cujos bilhetes tenham sido emitidos por outra.



Relacionados

Economia | 22-01-2019 21:00

Câmara Árabe-Brasileira diz que decisão de descredenciamento foi técnica

Câmara Árabe-Brasileira diz que decisão de descredenciamento foi técnica

Economia | 22-01-2019 19:55

Itamaraty avaliará com Agricultura efeito do descredenciamento de indústrias

Itamaraty avaliará com Agricultura efeito do descredenciamento de indústrias

Economia | 22-01-2019 19:35

Mourão: mudança de embaixada não deveria ser motivo para embargo saudita

Mourão: mudança de embaixada não deveria ser motivo para embargo saudita

Economia | 22-01-2019 19:15

Governo Bolsonaro quer retomar plano de construir até oito usinas nucleares

Governo Bolsonaro quer retomar plano de construir até oito usinas nucleares

PUBLICIDADE