Para Meirelles economia voltou à normalidade em tempo relativamente rápido

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 01/06/2017 às 19:45

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou durante cerimônia de posse do novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, nesta quinta-feira, 1, que o País oferece cada vez mais previsibilidade institucional e comemorou a "volta da economia à normalidade em tempo relativamente rápido".

"Que diferença faz um ano! No ano passado, vivíamos a mais longa recessão desde a crise de 30. No entanto, o Brasil já cresceu no primeiro trimestre do ano. (Isso) é resultado da confiança e de uma maior previsibilidade da economia", afirmou elogiando a escolha de mérito de Roberto Olinto para a presidência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que também tomou posse.

O ministro destacou que a política econômica tornou o País mais resistente a inevitáveis choques. "O câmbio e os juros ficaram menos voláteis e a economia como um todo mais previsível." Para ele, o País entrou num ciclo de reforço da economia e da estabilidade.

Meirelles reafirmou a importância da aprovação do teto dos gastos e destacou que a contenção de gastos traz condições para o retorno do investimento.

"Entramos numa trajetória onde há mais recursos para consumo, investimento e produção", afirmou. Ele disse ainda não ser comum um país ter recessão forte, desemprego crescente, inflação e juros altos. "Não é situação fácil, mas enfrentamos com sucesso."

Para o ministro, O Brasil entrou numa fase em que cada vez mais existem recursos para o consumo, investimento e produção. Ele citou a reforma do ensino médio como importante e "gesto de coragem" do presidente Michel Temer. "A reforma do ensino médio é fundamental para o aumento da produtividade no Brasil."

BNDES

Meirelles afirmou que a mudança na taxa de juros de longo prazo (TJLP) vai permitir ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) buscar recursos no mercado. "O BNDES não será mais tão dependente do Tesouro Nacional", afirmou.

O ministro destacou que existe uma série enorme de medidas em andamento, algumas não tão conhecidas. O ministro destacou ainda que o governo está aperfeiçoando critérios para garantia de créditos da União a Estados.

"Teremos critérios mais claros, que incentivam Estados a cumprir a lei de responsabilidade fiscal (...) É uma nova metodologia que funciona como nota de crédito", disse.

Sobre os juros, afirmou que, 'na medida em que reduzimos a inércia inflacionária, temos queda nos juros estruturais". "A queda de juros estrutural e controle da dívida permitem menor inflação e juros." Meirelles também afirmou que o poder de compra da população subiu 3% no primeiro trimestre, com queda da inflação.

Previdência

Meirelles reafirmou que a reforma da Previdência é fundamental e destacou que o Brasil a está fazendo na hora certa, lembrando que alguns países tiveram que reduzir o valor dos benefícios. "Estamos longe disso porque estamos fazendo reforma na hora certa", afirmou. Sobre a reforma trabalhista, o ministro disse que ela dará maior flexibilidade e condições para o País crescer.

O ministro destacou que os investidores que entrarem no País no ciclo de início da recuperação são os que se beneficiarão mais. "Vamos trabalhar, vamos produzir, consumir e investir. Esse é o momento certo para investir. Está na hora de o BNDES investir, apostar no Brasil."



Relacionados

Economia | 19-07-2018 09:05

Preço médio da gasolina nas refinarias é mantido em R$ 1,9611 nesta sexta-feira

Preço médio da gasolina nas refinarias é mantido em R$ 1,9611 nesta sexta-feira

Economia | 19-07-2018 09:00

Balança comercial teve superávit de US$ 5,8 bilhões em junho, diz Icomex da FGV

Balança comercial teve superávit de US$ 5,8 bilhões em junho, diz Icomex da FGV

Economia | 19-07-2018 08:11

Inaugura hoje a maior loja de veículos seminovos de Londrina

Inaugura hoje a maior loja de veículos seminovos de Londrina

Economia | 19-07-2018 07:40

Encontro entre Mercosul e UE fica sem acordo

Encontro entre Mercosul e UE fica sem acordo