Previdência e exterior definem rumo do Ibovespa, que sobe acima de 1%

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 13/06/2019 às 11:10

O foco das atenções dos investidores da B3 se concentrar principalmente na leitura da proposta da reforma da Previdência pelo relator, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), nesta quinta-feira, 13. Uma das grandes preocupações do mercado é saber o quanto o texto a ser apresentado hoje na Comissão Especial da Câmara irá gerar de economia.

Há pouco, o relator da reforma previdenciária, Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou que a expectativa é economia em torno de R$ 915 bilhões com reforma, aquém dos cerca de R$ 1,2 trilhão desejados pelo Ministério da Economia. "Haverá emenda para transferir R$ 217 bilhões do BNDES para a Previdência", afirmou.

Assim que a sessão na Comissão Especial da Previdência foi iniciada, às 10h36, o Ibovespa acelerou o ritmo de alta. Além disso, a valorização do petróleo no exterior dá fôlego para o mercado doméstico e ainda para o internacional.

As ações da Petrobras avançam acima de 1,05% com os ganhos superiores a 3% da commodity. O aumento decorre de informações de explosão envolvendo navios petroleiros no Golfo de Omã, na costa do Irã. Os investidores internos parecem não estar dando peso à notícia de mudança da política da estatal anunciada ontem à noite.

A Petrobras informou o fim de qualquer periodicidade predefinida para reajustar os preços do óleo diesel e da gasolina em suas refinarias. "Com a alteração, agora fica sem sinalização sobre o rumo dos preços. Tende a ser ruim, vai prejudicar as análises. Deixa de ter uma regra clara para ser obscura", avalia uma fonte.

"Hoje, a questão da Previdência deve ter mais força por aqui. Se a economia a ser gerada for na casa de R$ 800 bilhões, como se falou ontem, pode ser que esse montante seja ainda mais desidratado nas próximas fases. Esse é o 'X' da questão: qual será o tamanho da desidratação, afinal?", questiona o operador.

Conforme adiantando ontem, estima-se que a economia alcançada nos próximos 10 anos será entre R$ 800 bilhões e R$ 900 bilhões, ou seja, aquém da estimativa de quase R$ 1,2 trilhão do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Isso porque o texto agora não considera mais o regime de capitalização, a participação de Estados e municípios, o Benefício de Prestação Continuada (BPC), a aposentadoria rural e a desconstitucionalização das regras previdenciárias.

Na Rico Investimentos, os analistas afirmam que a Bolsa brasileira só tende a ganhar forte impulso com novidades concretas sobre a Previdência, não descartando a possibilidade de voltar a bater os 100 mil pontos ainda nesta quinta. "Podemos ver esse gatilho hoje. Quem sabe voltamos aos 100 mil pontos novamente? Esperar para ver o que teremos na leitura do relatório", diz nota.

Ontem, o Ibovespa fechou em queda de 0,65%, aos 98.320,88 pontos e, às 10h54, subia 1,03%, aos 99.329,15 pontos.



Relacionados

Londrina | 14-06-2019 18:03

Vectra comemora 23 anos e mantém crescimento com novos empreendimentos

Vectra comemora 23 anos e mantém crescimento com novos empreendimentos

Economia | 14-06-2019 15:00

Bolsonaro reforça que acordo entre Mercosul e UE está prestes a ser concluído -

Bolsonaro reforça que acordo entre Mercosul e UE está prestes a ser concluído -

Economia | 14-06-2019 14:35

Guedes: com mudanças do relator, impacto da reforma é de R$ 860 bi só com cortes

Guedes: com mudanças do relator, impacto da reforma é de R$ 860 bi só com cortes

Economia | 14-06-2019 14:00

Bolsonaro diz que foco da reforma é a economia para a União

Bolsonaro diz que foco da reforma é a economia para a União